Projeção do PIB cai 0,3% em relação ao primeiro trimestre do ano, revela monitor da FGV

Os dados apresentados foram na contramão do Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) do Banco Central, que previa um aumento de 0,12%

Nesta terça-feira (17), a FGV (Fundação Getúlio Vargas) divulgou o Monitor do PIB brasileiro (Produto Interno Bruto) do segundo trimestre de 2021.

Os resultados não foram positivos, além disso, apontaram uma queda de 0,3% ante ao trimestre anterior. No entanto, em comparação com o mesmo período em 2020, houve um aumento de 12,1%.

“A economia apresentou retração de 0,3% no segundo trimestre comparado ao primeiro, evidenciando que houve certo otimismo com o resultado do primeiro trimestre, mostrando que ainda há um longo caminho para a retomada mais robusta da economia,” afirmou Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB-FGV,

Expectativa de alta x Realidade

Os dados do PIB apresentados pelo Monitor da FGV chegaram na contramão do Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) divulgado pelo Banco Central (BC)

Afinal, o indicador apresentado pelo governo havia previsto um aumento de cerca de 0,12% para o PIB do segundo trimestre. Sendo assim, a alta seria referente a uma comparação com os três meses iniciais de 2021.

Em nota, a FGV afirmou que a economia acabou afetando de modo especial o trimestre devido aos efeitos da pandemia.

“Esses resultados sugerem que as taxas ajustadas sazonalmente devem ser analisadas com cautela, pois a pandemia pode ter influenciado os fatores sazonais, não apenas por razões econômicas como também estatísticas”, revelou o relatório.

Projeção do PIB cai 0,3% em relação ao primeiro trimestre do ano, revela FGV
Ilustração dinheiro (créditos: Getty Images)

Inflação alta é ruim para o PIB

As perspectivas não são boas para o PIB, pois a inflação medida no último índice IPCA acelerou o passo, chegando em uma alta de 8,99% no acumulado de 12 meses.

O aumento não foi uma surpresa para ninguém. Isso porque, devido ao cenário dos preços brasileiros, como a alta nas tarifas de energia e combustível, já era esperado que a inflação continuasse cada vez maior.

A taxa apresentada em julho colocou em holofotes o plano de metas do governo Federal, que havia planejado um teto máximo de até 5,25%. Ou seja, a inflação em 2021 passou bem longe disso.

E agora?

As previsões indicam que a inflação pode continuar subindo. Algumas medidas foram tomadas pelo Banco Central para a diminuição. Por exemplo, o aumento da taxa básica de juros, a Selic, que elevou em um ponto percentual, chegando a 5,25% ao ano.

Como o aumento na Selic, os analistas acreditam que a inflação vai acabar o ano muito acima do planejado com o teto da meta econômica ao final de 2021. No entanto, de acordo com os mesmos, ela voltará aos trilhos no ano que vem.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais