PIX representa uma redução expressiva nos custos financeiros, diz vp da Linx

O PIX, sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central (BC), que entrou em operação plena na última segunda-feira (16), representa uma redução expressiva nos custos financeiros de pessoas e empresas.

A afirmação é do vice-presidente da Linx Pay Hub, Denis Piovezan, para quem à medida que se evolui tecnologicamente, todo o entorno tende a seguir a mesma direção.

“Em todo o Brasil, o Pix, tem dominado as conversas. Seja dos consumidores que começam a conhecer um novo jeito de pagar e transferir, seja do varejo que começa a preparar suas soluções para aceitar a nova modalidade”, disse.

PIX: conheça os impactos da tecnologia para PF, empreendedores e empresas

Experiência inovadora e abrangente

De acordo com Piovezan, o Pix estimula uma experiência inovadora e abrangente para os usuários e faz parte da evolução da indústria de pagamentos – algo que empresas já investem há alguns anos.

“Entretanto, para o varejo, além da segurança e agilidade nas operações, existem outras vantagens como conveniência, disponibilidade e informações agregadas”, elencou.

PIX representa uma redução expressiva nos custos financeiros, diz vp da Linx

Impacto

Assim, destacou, com a redução nos custos financeiros, haverá impacto positivo no consumo e no crédito. “O capital de giro do varejista também será acompanhado mais de perto, já que não será necessário aguardar compensações financeiras nos dias posteriores, um alívio para o fluxo de caixa”, frisou.

Conforme o executivo, para que tudo isso funcione será utilizada a chave Pix (número de telefone celular, e-mail, CPF ou CNPJ), QR Code ou tecnologia de troca de informações por aproximação.

“O melhor de tudo é que muitas empresas que fornecem tecnologia, produtos e serviços para o varejo já se adaptaram a essa nova demanda e criaram opções. É imprescindível, por exemplo, seguir oferecendo soluções de QR, mas incrementá-las, provendo serviços para iniciação de pagamento e conta transacional de forma integrada à automação dos clientes desde a captura, liquidação e conciliação”, ressaltou.

Exterior

Segundo Piovezan, em outros países como Reino Unido e Índia, que adotaram sistemas análogos, o movimento observado primordialmente foi o de substituição às transferências bancárias DOC e TED, sendo o varejo impactado apenas na segunda onda.

“No Brasil, ainda não é possível prever qual parcela do mercado será atingida primeiro, mas sabe-se que, com os cartões de crédito e pagamento por QR Code bem estabelecidos, a substituição ao dinheiro físico pode ser acelerada. Por isso, o varejista que não estiver preparado poderá perder essa janela de oportunidade”, disse.

Ressignificação

Conforme o especialista, o processo de ressignificação do setor representa um grande passo para o sistema financeiro nacional. “É certo que um país de proporções continentais como o Brasil, com espectros sociais e financeiros distintos, poderá passar por etapas espaçadas para atingir uma implementação homogênea – basta lembrar que existe uma enorme parcela da população desbancarizada ainda”. Frisou.

E concluiu: “porém, é certo que um novo mercado já começará a surgir desta movimentação, e apenas quem for resiliente, acompanhar e investir em soluções de ponta, usufruirá dos benefícios. Caberá às empresas envolvidas o movimento rápido e preciso para disputar a liderança e conquistar destaque e confiança perante os clientes.”

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais