O PIX, app do governo federal para transferências eletrônicas de dinheiro, está acirrando a disputa por clientes entre os bancos convencionais e as fintechs.

Segundo o Globo, instituições reforçam campanhas de marketing e firmam parcerias para se diferenciarem no mercado. O novo meio de pagamento estará disponível em novembro.

Conforme o jornal, o app faz com que bancos e fintechs elaborem mais e melhores benefícios, diversificação de serviços e investimentos em novas plataformas, além de parcerias estratégicas.

Isso porque o PIX, criado pelo Banco Central (BC), permitirá fazer pagamentos e receber transferências 24 horas por dia, de maneira instantânea e sem custo para a pessoa física que faz a operação, possivelmente derrubando os atuais DOCs e TEDs.

PIX

PIX: contrabalançar

Como os bancos tradicionais hoje cobram por transferências, eles já planejam contrabalançar a futura perda de receita reforçando a participação em outras áreas, como as de crédito e financiamento. Os bancos digitais, por outro lado, valem-se da proximidade com o cliente e de parcerias para entrar nesta nova fase do sistema financeiro.

O Itaú calcula que o impacto em suas receitas com a adoção do Pix e a consequente redução das modalidades tradicionais de transferência seja de cerca de 1%.

Para Breno Lobo, chefe de subunidade do Departamento de Competição e Estrutura do Mercado Financeiro do BC, a estimativa é que essas formas tradicionais de transferências desapareçam em até dez anos.

O Santander tem investido em uma campanha massiva para que seus clientes façam o pré-cadastro para usar o Pix, mas que também visa a conquistar clientes de outras instituições. No Pix, o cliente pode usar o CPF, o e-mail ou o número de celular como chave para o recebimento de uma transferência, mas cada chave só pode estar relacionada a uma conta específica.

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: