O mercado de petróleo se viu abalado recentemente por conta de uma disputa de preços entre árabes e russos.

Por conta disso, países consumidores do commoditie precisaram encontrar novos fornecedores.

Dados do governo federal mostram que somente em julho o Brasil bateu a marca de 8,19 milhões de toneladas em exportação.

Em igual período do ano anterior, o volume vendido havia sido de 3,76 milhões.

A próxima reunião da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) será na quarta-feira (19).

Às 14h15 desta terça-feira o petróleo WTI estava cotado a R$ 42,67, em queda livre de 0,42%. Já o petróleo Brent estava cotado a R$ 45,28, também em queda de 0,20%.

Petróleo: preço do commoditie faz países recorrerem a novo fornecedor
Petróleo: preço do commoditie faz países recorrerem a novo fornecedor

Ouro Negro

Economista-chefe da Nova Futura Investimentos, Pedro Paulo Silveira disse que as discussões em torno do petróleo estão dividindo o mercado.

Ele explicou que boa parte das empresas de petróleo dos EUA estava tendo sérios problemas.

Ocorre que o commoditie estava sendo negociado a 4 dólares até pouco tempo.

“Nesse patamar, ela opera no prejuízo”, frisou.

Nessa faixa de preços, declarou, os investimentos na prospecção de novos campos e abertura de meios de exploração tendem a parar.

“Diversas empresas do mundo, particularmente as europeias, estão freando as pesquisas em novos campos e abandonando projetos já iniciados por conta do preço do petróleo”, disse.

E acrescentou: “também pelo esforço cada vez mais elevado em partirem para opções neutras de carbono.”

Impactos ambientais

De acordo com o economista, o mundo vive uma pressão para minimizar os impactos ambientais e neutralizar as emissões de carbono.

Somente os EUA se mantêm à parte desta nova agenda ambiental.

Segundo Silveira, as metas para 2030 são agressivas, tanto no sentido de substituir os carros a gasolina por elétricos, quanto em obter energia limpa.

“Isso irá fazer com que a demanda por petróleo caia, e as empresas europeias estão na vanguarda das pesquisas”, disse.

Acontece que elas se posicionam como empresas de energia, e não apenas de petróleo.

“O Brasil, por outro lado, como um país que insiste em ser emergente, não vai abandonar a proposta de explorar a Amazônia economicamente e transformá-la em um lugar que dê para produzir carne, milho e soja, assim como outros recursos”, declarou.

E complementou: “Nós vamos continuar nessa, porém, o resto do mundo está bastante focado em sair desse risco.”

Para Silveira, não haverá mudança de postura por parte do Brasil no curto prazo.

A Nova Futura Investimentos foi fundada em 1983, atua nos mercados de commodities, renda fixa, renda variável e seguros.

Possui 21 escritórios espalhados por pelo Brasil.

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: