Petrobras (PETR4) recebe indicação para últimas duas vagas do governo no conselho

A Petrobras (PETR4) informou que recebeu do ministério de Minas e Energia ofício com duas indicações para vagas da União no conselho de administração da companhia, de Cynthia Santana Silveira e Ana Silvia Corso Matte.

“Essas duas indicações, juntamente com as seis indicações divulgadas ao mercado em 8 de março de 2021, completam as indicações pela União de membros ao Conselho de Administração da companhia para a próxima Assembleia Geral de Acionistas”, afirmou a empresa em fato relevante nesta quarta-feira.

Segundo a Reuters, Cynthia Santana Silveira é engenheira elétrica e atuou na petroleira francesa Total por 17 anos, tendo sido diretora executiva de gás e eletricidade da companhia. Ana Corso Matte é advogada e já foi diretora da elétrica Light (LIGT3), além de conselheira de empresas como Cemig (CMIG4) e Renova Energia (RNEW11), disse a Petrobras.

Petrobras (PETR4) assina contrato com RP para vender 50% da BSBios por R$322 mi

Petrobras – XP

A XP Investimentos já havia baixado a recomendação de compra para venda da Petrobras (PETR4) na última semana por conta dos imbróglios políticos aos quais a estatal se viu envolvida e, na terça-feira (9) a gestora voltou a reiterar a venda dos papéis da petroleira.

Isso por conta dos reajustes constantes no preço dos combustíveis, mais precisamente pela manutenção dos preços abaixo dos níveis internacionais.

“Isso nos motiva a manter uma visão cautelosa com a Petrobras, dadas as significativas incertezas com relação à política de preços de combustíveis da companhia após a proposta de substituição do CEO”, informou a gestora.

E disse mais: “mantemos recomendação de Venda nas ações da Petrobras, com preços-alvo de 12 meses de R$ 24 por ação para PETR4 e PETR3.”

Com relação aos reajustes mais recentes, a estatal posicionou o diesel em 5,5% nos preços. Quanto à gasolina, o reajuste anunciado de preços é de 9%.

Em relação às referências internacionais, preços seguem com defasagem de 6,7% para o diesel e 1,8% para a gasolina.

Mercado

O relatório, assinado pelos analistas Maria Maldonado e Gabriel Francisco, destaca ainda que, na opinião da gestora, o mercado atribuirá uma menor importância aos reajustes de preços divulgados durante o mandato da atual administração.

“Finalmente, será fundamental acompanhar o que acontecerá após o termino da isenção de dois meses do PIS / COFINS (R$ 0,3515 / litro) sobre os preço do diesel. O fim dessa isenção fiscal implicará, por si só, em um aumento de 11% nos preços do diesel fora do escopo da política de preços da Petrobras”, disse.

E acrescentou: “em nossa opinião, dada a complexidade do cenário fiscal brasileiro, vemos uma baixa probabilidade de renovação da isenção fiscal para os preços do diesel, com nossos cálculos apontando para um impacto entre R$ 1,5 – R$ 1,6 bilhão para cada mês sem cobrança de PIS / COFINS no diesel (implicando em renúncia de R$ 3,1 bilhões – R$ 3,2 bilhões para o período de 2 meses já anunciado).”

Veja PETR4 na Bolsa:

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais