Petrobras (PETR4) diz que aprovou nova rodada de ofertas por Urucu

A Petrobras (PETR4) informou nesta segunda-feira (7) que sua diretoria executiva aprovou uma nova rodada de ofertas vinculantes dentro do processo de desinvestimento do Polo Urucu.

Os participantes do processo competitivo habilitados receberão carta-convite com instruções detalhadas para o envio das propostas vinculantes.

Petrobras (PETR4) reduz processamento em refinarias a menos de 70%

PETR4: Solimões

Na sexta-feira, a Petrobras informara ter recebido propostas vinculantes da 3R Petroleum Óleo e Gás e da Eneva pelo polo de Urucu, localizado na Bacia do Solimões (AM).

A empresa também havia dito anteriormente que os valores de propostas pelo polo veiculados na mídia, de 1 bilhão de dólares e de 600 milhões de dólares, guardavam “proximidade com as parcelas firmes”.

Conjunto de concessões

O polo Urucu compreende conjunto de sete concessões de produção terrestres –Araracanga, Arara Azul, Carapanaúba, Cupiúba, Leste do Urucu, Rio Urucu e Sudoeste Urucu– todas localizadas no Amazonas, nos municípios de Tefé e Coari.

Caraguatatuba

A Petrobras (PETR4) decidiu interromper o desenvolvimento do projeto de adequação de infraestrutura da Unidade de Tratamento de Gás Monteiro Lobato (UTGCA), em Caraguatatuba (SP), informou a empresa em fato relevante na sexta-feira.

A estatal citou uma perda na atratividade econômica do projeto, afirmando que a avaliação seguiu premissas de seu novo plano estratégico 2021-2025, anunciado na semana passada, no qual cortou perspectivas de investimentos em 27% frente ao plano anterior.

Com a decisão, as licitações associadas que atenderiam ao projeto também foram canceladas, afirmou a petroleira.

“A Petrobras reforça seu compromisso com a geração de valor de seu portfólio e com sua estratégia”, acrescentou.

Castello Branco

O presidente da Petrobras (PETR4), Roberto Castello Branco, defendeu nesta quinta-feira (3) mudanças nas regras de exploração e produção do petróleo no Brasil, que classifica como pouco atraentes aos negócios. Para ele, o regime de partilha deve ser extinto. Castello Branco participou de bate-papo online do Rio Oil & Gas, o maior evento do setor de óleo e gás na América Latina.

“Acho que o arcabouço regulatório para a exploração de petróleo no Brasil tem que ser modificado”, defendeu Castello Branco. “O contrato de partilha é algo que não tem sentido econômico, não traz nenhum estímulo à eficiência, taxa demasiadamente os produtores de petróleo. Um negócio complicado. O mundo dos negócios não gosta de coisas complicadas, querem coisas claras, transparentes, simples”, disse.

Veja PETR4 na Bolsa:

Petrobras (PETR4): justiça extingue ação de hipoteca judiciária da Previ
Petrobras (PETR4): justiça extingue ação de hipoteca judiciária da Previ

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais