A Oi (OIBR3, OIBR4) registrou prejuízo líquido de R$ 2,638 bilhões no terceiro trimestre, queda de de 54,1% em relação ao mesmo período de 2019 e recuo de 22,6% ante o 2º trimestre.

A receita líquida consolidada da operadora atingiu R$ 4,706 bilhões, apresentando uma queda de 5,9% em relação ao mesmo período do ano passado e crescimento de 3,6% em relação ao 2º trimestre.

OI (OIBR3): ações disparam 25% e atingem maior cotação em quase dois anos

Balanço

Já a receita líquida das operações totalizou R$ 4,648 bilhões, queda de 6,2% na comparação anual e alta de 3,5% em relação ao 2º trimestre.

O resultado operacional medido pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) subiu 9,3% na comparação anual, para R$ 1,48 bilhão.

A empresa de telecomunicação está recuperação judicial desde 2016 e colocou alguns ativos à venda em esforço para sair da reestruturação.

Altos e baixos

Levantamento do e-Investidor, do Estadão, informa que nesses últimos quatro anos em que a tele ficou em recuperação judicial, os papéis da operadora passaram por muitos altos e baixos.

No início de 2014, por exemplo, as ações eram cotadas a R$ 35. Mas em 2016, quando entrou com pedido de recuperação, os ativos amargaram queda de 90% e passaram a valer poucos centavos.

O que parecia um fim trágico de uma empresa tão presente no dia a dia dos brasileiros, entretanto, ganhou novos contornos.

O aditivo ao plano de recuperação, aprovado em setembro deste ano, trouxe medidas que deram fôlego para a Oi. Entre elas a venda de R$ 22,8 bilhões em ativos e a parte móvel da operadora – o seu maior foco no segmento de infraestrutura.

A expectativa de recuperação impulsionou os papéis, que até o fechamento da última quarta-feira (11) estavam em alta de 101,16% ao ano, para R$ 1,73.

Veja OIBR3 na Bolsa:

https://youtu.be/BWh4sUPmXhU
Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: