A compra da unidade Móvel da Oi (OIBR3, OIBR4) pode demorar mais do que o previsto. A afirmação foi publicada na coluna de Lauro Jardim, em O Globo.

Isso porque, segundo ele, as compradoras TIM, Vivo e Claro agem ‘sem pressa’ com as formalidades para a aquisição dos respectivos ativos.

Ainda assim, elencou, qualquer usuário ou entusiasta da área de telecomunicações aguarda, a qualquer momento, a notícia de que a compra da Oi Móvel está devidamente concretizada pelo consórcio formado pelas operadoras TIM, Vivo e Claro.

Na prática, porém, as compradoras estão um pouco ‘descansadas’ a respeito de toda a formalidade do processo.

OI (OIBR3): ações disparam 25% e atingem maior cotação em quase dois anos

OIBR3: aquisição

Entretanto, para o mercado, a aquisição é dada como certa. Até mesmo Rodrigo Abreu, CEO da companhia, já declarou que a venda da unidade móvel da operadora está fechada.

Segundo analistas, a grande barreira continua dentro no CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

VIVO, TIM e Claro

O consorcio formado pelas três companhias telefônicas já iniciaram as conversas para tratar sobre como será a divisão dos ativos da Oi, dentro da operação de cada uma.

O que falta é mesmo a formalidade, a notificação formal sobre a compra, de acordo com o colunista Lauro Jardim.

E, no momento que a autarquia receber esse documento, são aproximadamente 240 dias até um veredito sobre o processo de compra.

Para Jardim, haja lobby para que seja possível agilizar toda essa compra e formalidade.

BTG Pactual

O BTG Pactual (BPCA11) esteve com executivos da Oi (OIBR3 OIBR4) e concluiu que a execução do plano de recuperação da empresa, até aqui, é “impecável”.

“Nossa principal conclusão é que a administração está executando de maneira impecável o plano de recuperação estabelecido há alguns meses e aprovado na assembleia geral de credores realizada em meados de setembro”, diz o banco.

A Oi está em recuperação judicial, processo que começou em 2016, e é hoje uma empresa em reestruturação.

O plano é desmembrar o negócio em quatro partes e redirecionar o foco da companhia.

Em um plano de recuperação judicial aprovado recentemente pelos credores, a Oi definiu que venderá as partes da companhia que compreendem telefonia móvel, data centers e torres.

Ficará apenas com a parte do negócio de fibra ótica, que é o mais saudável. E, ainda assim, com uma parcela do negócio.

Isso porque uma fatia (que pode chegar a até 50%) deve entrar na venda, para ajudar a quitar sua dívida líquida, que ultrapassa R$ 26 bilhões.

Veja OIBR3 na Bolsa:

https://youtu.be/zk4fs3OHOPI
Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: