A alavancagem da Neoenergia (NEOE3) deve aumentar para 3,6 vezes até o final de 2021, com a aquisição na última sexta-feira da distribuidora CEB por cerca de R$ 2,5 bilhões, estimou nesta segunda-feira (7) um executivo da elétrica controlada pelo grupo espanhol Iberdrola.

Segundo apresentação da companhia, a alavancagem da Neoenergia era de 2,85 vezes (dívida líquida/Ebitda) no final do terceiro trimestre, com o endividamento líquido da companhia estimado em R$ 16,8 bilhões.

“Estamos mirando atingir 3,6 vezes, no final de 2021”, declarou o diretor-executivo de Finanças e de Relações com Investidores, Leonardo Gadelha, ressaltando que o aumento da alavancagem não traz preocupação porque o “esgotamento” da dívida está bem distribuído ao longo dos próximos anos.

“Tem concentração baixa da dívida em 21 e 22, ela está bem distribuída, a gente não vê preocupação com a questão da alavancagem”, acrescentou.

Neonergia (NEOE3) contrata R$ 3,4 bi em recursos do BNDES para distribuição

NEOE3: CEB

Questionado se a bilionária aquisição da CEB, que atua no Distrito Federal, poderia afetar o apetite da Neoenergia pelo leilão de projetos de transmissão no Brasil, previsto para 17 de dezembro, o executivo indicou que não.

“Estamos concluindo grande parte dos projetos de transmissão… vamos reavaliar a estratégia do leilão, mas, caso a gente tenha êxito, esse capex não vai pressionar alavancagem em 2021”, afirmou Gadelha.

Leilão

Ele explicou que, se a companhia adquirir algum projeto no leilão de transmissão, os investimentos ocorreriam a partir de 2022, devido ao tempo de assinatura de contrato e licenciamento.

“O apetite no leilão depende do cumprimento da disciplina de capital que a Neoenergia tem. O apetite será marcado pela rentabilidade dos ativos”, acrescentou o presidente da empresa, Mario José Ruiz-Tagle, em evento com investidores e analistas.

A aquisição

Segundo a apresentação, a aquisição da CEB será suportada exclusivamente pelo balanço da Neoenergia, sem a necessidade de aumento de capital.

A empresa disse ainda que tem acesso a diferentes fontes de financiamento, com “custos extremamente competitivos”.

A elétrica

A elétrica informou também que 2022 será o primeiro ano completo após a consolidação da CEB na empresa, e prevê “impactos positivos” desde o primeiro ano.

Os executivos justificaram a aquisição da CEB apontando que o ativo é uma das “últimas oportunidades de consolidação do setor de distribuição do Brasil”, além do fato de Brasília contar com o maior PIB per capita do país, o que garante potencial máximo de agregação de valor à empresa.

A Neoenergia

A Neoenergia também prevê, no que diz respeito ao combate eficiente a perdas da CEB, ficar dentro dos limites regulatórios até 2023, por meio da regularização da maior parte dos clientes clandestinos (já mapeados), nos primeiros dois anos.

Em relação ao combate à inadimplência, a empresa espera se adequar ao nível regulatório em quatro anos, com aumento de ações de campo, além de revisão de condições de renegociação para os clientes em atraso.

A empresa estimou ainda a taxa de retorno da aquisição na faixa entre 9% e 10%.

Veja NEOE3 na Bolsa:

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: