Ações do Magazine Luiza (MGLU3) despencam 9% durante último pregão; entenda o que houve

As ações da varejista encerraram a última sexta-feira (10) com sua pior baixa do ano

Na última sexta-feira (10), a Bolsa de Valores (B3) encerrou com as ações do Magazine Luiza (MGLU3) em baixa. Os ativos da varejista ficaram cotados em R$ 17,18, uma queda de 8,86%, sua mínima em 12 meses.

Nesta segunda-feira (13), o Magalu anunciou que desconhece qualquer ato ou fato relevante que possa ter sido divulgado pela empresa que justifique os movimentos do mercado na semana passada.

De acordo com a Bloomberg, principal agência provedora de informação para o mercado financeiro, a YipitData rebaixou as estimativas para o crescimento das vendas da varejista neste terceiro trimestre de 2021.

Líder das baixas na B3

A queda da varejista liderou as baixas da B3. Dessa forma, os valores acabaram sendo atribuídos a projeção especulada pela consultoria YipsiData.

A empresa divulgou que as vendas do Magazine Luiza no terceiro trimestre do ano devem despencar, obtendo um crescimento de apenas 20% a 25%. Essa expectativa possui um olhar pessimista, uma vez que a projeção de outras empresas do setor ganharam uma projeção de crescimento bem maior, cerca de 40%.

Em contrapartida, alguns analistas do mercado afirmaram que não há motivos para desespero. Isso porque os fundamentos da varejista permanecem muito bons e sólidos. Dessa forma, pode haver uma frustração em relação ao curto prazo. Entretanto, essa questão pode ser devido a volatilidade do mercado.

Magazine Luiza (MGLU3) vê ações despencarem 9% na última sexta-feira; entenda porque
Loja física do Magazine Luiza

Comunicado do Magalu

De acordo com o comunicado oficial da empresa, a oscilação atípica, assim como as projeções feitas, não tem relação direta com o Magazine Luiza. Portanto, não possuem fundamentos em seus resultados a longo prazo.

“De forma concreta, o Magalu continua a apresentar um crescimento acima do mercado, mantendo o padrão dos últimos cinco anos. Segundo os dados da consultoria Compre & Confie, a participação de mercado online da companhia aumentou, em média, 2 pontos percentuais nos meses de julho e agosto de 2021, comparados com o mesmo período do ano passado”, afirmou a companhia.

“Essa expansão acontece mesmo quando se considera que o Magalu apresenta a maior base de comparação entre todos os seus principais concorrentes “, completa.

Em suma, a varejista destacou ainda seu ganho de participação de mercado dos últimos meses, devido ao marketplace, que bateu sua marca histórica chegando a cerca de 100 mil vendedores ativos.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais