FMI vê sinais de recuperação global mais forte, indicando uma possível retomada

O número dois do Fundo Monetário Internacional (FMI) apontou no sábado (20) para sinais emergentes de uma recuperação econômica global mais forte, mas alertou que riscos significativos continuam, incluindo o surgimento de mutações do coronavírus.

O vice-diretor-gerente do FMI, Geoffrey Okamoto disse que no início de abril o fundo irá atualizar sua previsão de janeiro para o crescimento global de 5,5%, para refletir investimentos de estímulo fiscais adicionais nos Estados Unidos, mas não forneceu detalhes.

Em um discurso ao Fórum de Desenvolvimento da China, Okamoto levantou preocupações sobre a crescente divergência entre economias avançadas e mercados emergentes, com cerca de 90 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza extrema desde o início da pandemia.

FMI vê sinais de recuperação global mais forte, indicado uma possível retomada

Retomada econômica

Secretário do Tesouro Nacional, Bruno Funchal apontou a vacinação em massa como o principal caminho para a retomada da economia e contra a necessidade de uma eventual prorrogação do auxílio emergencial após as próximas quatro parcelas.

Em um evento promovido pela XP Investimentos, ele mencionou outras medidas tomadas pelo governo, como a antecipação do 13º salário dos aposentados e pensionistas e a provável prorrogação de programas como o que possibilita a suspensão de contratos e a redução das jornadas e salários.

Funchal crê que, agora, o foco está no auxílio emergencial e na vacina. “Então o foco é esse e o foco é vacina, são os dois focos. A gente acredita que, andando nessas duas direções, no auxílio e na vacina, naturalmente as coisas vão acabar voltando à normalidade de forma mais rápida. Não sabemos ainda quando vai ser, depende muito desse processo de aceleração da vacinação.”

Ele mostrou confiança na política econômica do governo quanto à responsabilidade fiscal. Desde que foram restabelecidos os direitos políticos do ex-presidente Lula, operadores do mercado vêm temendo uma guinada populista do presidente Jair Bolsonaro em meio à crise provocada pela pandemia e à nova ascensão de Lula no cenário político.

Bruno Funchal não vê esse risco e menciona a aprovação da PEC Emergencial. “Primeiro eu não vejo esse movimento, vejo o presidente preocupado inclusive em vários momentos mostra preocupação em relação ao tamanho da dívida, com a retomada da economia… Ou seja, teve o apoio para passar a PEC e passou”, afirmou.

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais