Com a proposta de tornar o processo de empréstimos e pagamentos de contas mais fácil, rápido, barato e seguro para o consumidor e, ao mesmo tempo, gerar maior volume de pagamentos em dia para as concessionárias de energia, água, gás, e autarquias do país, a MaxiPay redesenhou todo o seu formato e estrutura operacional, com a ajuda da Learmachs International, empresa de contabilidade internacional especializada que chegou ao Brasil recentemente.

A MaxiPay, uma plataforma de empréstimos altamente tecnológica lançada em 2019 no norte do país, foi fundada pelo sergipano Geyvson Dantas, que enxergou no fechamento de centenas de agências bancárias na região, uma oportunidade para oferecer serviços bancários.

“Para atender essa população desassistida, criamos a MaxiPay e instalamos cerca de 200 franquias em locais variados em toda a região”. Um dos diferenciais da MaxiPay é a possibilidade de o cliente pagar contas e boletos por cartão de crédito. A empresa intermedia o parcelamento via aplicativo e maquininhas de cartão portáteis (POS). Além de variadas soluções em pagamentos e intermediação de negócios financeiros, a fintech também atua no mercado de adquirência, empréstimos consignados, consórcios e seguros.

Mais que dobra número de usuários de bancos digitais no Brasil de 2019 para 2020

MAXIPAY: CEO

De acordo com o CEO e cofundador da Learmachs, Roger Mitchell Madeira, responsável pela reestruturação operacional da MaxiPay, o objetivo da fintech é ampliar a área de atuação, além de rever e redesenhar o mapa de tributos e blindar a operação de eventuais riscos.

“Após múltiplos estudos estratégicos acerca dos objetivos do grupo MaxiPay, nossa consultoria e curadoria técnica redesenhou todo o organograma empresarial da fintech, para minimizar riscos operacionais, garantir a proteção do capital e do patrimônio da estrutura operacional, blindando o investimento e os recursos financeiros do grupo como um todo”.

Outros propósitos

Segundo Madeira, a movimentação tem outros propósitos fortes. A fintech tem grandes planos e, além da pretensão de abrir novas franquias, também buscará a conversão do grupo para uma Instituição Financeira.

“A MaxiPay busca tornar-se uma Instituição Financeira junto ao Banco Central do Brasil e de outras agências reguladoras de fomento de crédito. E foi por isso que a Learmachs entrou como parceira nesta empreitada, para que isso aconteça de forma rápida e transparente. E também para atender futuras exigências do governo federal, quando a conversão for iniciada”.

Software

Para realizar tal façanha, a Learmachs utilizou seu software próprio, um sistema chamado SOFIA (sigla para Sistema Operacional Fiscal com Inteligência Artificial). De acordo com Roger, o SOFIA é alimentado por 1.740 data points tributários, fiscais, trabalhistas, societários, sucessórios, blindatórios e operacionais. E após várias análises utilizando algoritmos de machine learning e inteligência artificial, o sistema sugeriu cenários mais eficientes para o grupo MaxiPay.

O executivo explica que o cenário tributário brasileiro é muito complexo: “Existem 1.031 tipos de Classificação Nacional de Atividades Econômicas no país e mais de 80 tipos jurídicos possíveis de serem constituídos no Brasil, aos quais adicionamos mais de 600 data points trabalhistas, blindatórios, sucessórios, societários, ao conjunto de todos os impostos diferentes praticados pelos estados, municípios e pela própria federação. O SOFIA analisou todas as informações e chegou a soluções operacionais mais eficientes para a atuação da MaxiPay”.

Geyvson Dantas

De acordo com Geyvson Dantas, após esse passo importante de reestruturação da operação como um todo, a expectativa é a de que a MaxiPay possa crescer e ganhar mercado com uma velocidade muito maior. “O Grupo investirá cerca de R$ 10 milhões para abrir aproximadamente 200 franquias em várias cidades do interior do Brasil nos próximos meses”, finaliza.

  • Só clique aqui se você já for investidor
Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: