Energisa (ENGI11) reporta lucro líquido de R$192 mi no 4º tri, queda de 45,6%

A Energisa (ENGI11) reportou lucro líquido de R$ 192 milhões no quarto trimestre de 2020, queda de 45,6% ante igual período do ano anterior, conforme relatório encaminhado ao mercado.

De acordo com o documento, no acumulado do ano a companhia registrou lucro líquido de R$ 1,6 bilhão, crescimento de 204,9% no ano a ano

Já o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) somou R$ 1,12 bilhão no último trimestre do ano passado, avanço de 15,7% na comparação anual.

No acumulado do ano, o indicador Ebitda teve aumento de 12,3% na mesma base, para R$ 3,9 bilhões.

Energisa

Com negócios em distribuição, transmissão e geração de energia, a empresa somou receita operacional líquida de R$ 5,57 bilhões de outubro a dezembro, alta de 25,2% ano a ano.

O resultado financeiro foi negativo em R$ 495,7 milhões, contra uma queda de R$ 231,4 milhões no quatro trimestre de 2019.

A Energisa disse que esse número refletiu a contabilização de uma opção de conversibilidade do bônus de subscrição de uma emissão de debêntures, que teve impacto negativo de R$ 393,9 milhões, contra R$ 144,2 milhões no mesmo período de 2019.

Os investimentos da Energisa totalizaram R$ 677,3 milhões no trimestre, com queda de 32,1% no comparativo anual, enquanto fecharam o ano com recuo de 14,5%, em R$ 2,7 bilhões.

Pandemia

Devido à pandemia, a empresa postergou alguns investimentos. A Energisa também buscou fortalecer a liquidez com medidas de proteção ao caixa e captação de recursos de financiamento e capital de giro, além de alongamento da dívida de curto prazo e cortes de despesas.

“Como resultado, concluímos o ano com caixa de R$ 6,6 bilhões e uma redução de 11% no PMSO”, afirmou, em referência a sigla para despesas com pessoal, material, serviços e outros.

Indicadores

Já o consumo consolidado de energia elétrica nos mercados cativo e livre atendido pelas distribuidoras da companhia teve crescimento de 5,2% no trimestre.

“O mercado consolidado das distribuidoras da Energisa cresceu 2,5 pontos percentuais acima do consumo energia elétrica do Brasil em 2020, segundo a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Nos últimos 12 anos, este diferencial foi na média 2,25 pontos percentuais por ano”, apontou a empresa.

A companhia encerrou o ano com 8,05 milhões de unidades consumidoras atendidas, aumento de 2,9% em um ano.

A taxa de inadimplência consolidada da Energisa dos últimos 12 meses, considerando os impactos da pandemia de Covid-19 e medidas impostas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), foi de 1,64% no trimestre, contra 0,93% no fim de 2019.

Com isso, a elétrica registrou provisões para calotes de R$ 380,4 milhões em 2020, ante R$ 212,5 milhões um ano antes.

Veja ENGI11 na Bolsa:

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais