Crise de energia na China pode ameaçar o desempenho da economia brasileira?

Entenda as causas dessa crise e como seus desdobramentos podem afetar o mercado de investimentos do Brasil

A China não anda bem das pernas. Isso porque, além de uma crise econômica gerada pela queda das commodities e a derrocada da Evergrande, a segunda potência mundial pode enfrentar problemas de energia.

O país asiático enfrenta um choque em seu sistema de abastecimento elétrico. Dessa forma, isso pode atingir de forma catastrófica a economia chinesa e a brasileira de quebra também.

Entenda as causas dessas crises e como seus desdobramentos podem afetar a rotina do Brasil, bem como o mercado de investimentos.

Motivos da crise

Não há um único motivo para a crise enfrentada na China, assim como aqui no Brasil, a mesma vem de uma junção de fatores. Entre eles, a descarbonização da economia chinesa, que implicou na diminuição da produção de energia.

Dessa forma, com a chegada do inverno chinês, a economia do país corre risco de ter um agravante. Devido a escassez de carvão e gás, que foram predominantemente utilizados para aquecer residências e operar fábricas.

Vale ressaltar que a região oriental já teve que racionar energia em meses mais frios antes. Entretanto, essa é a primeira vez que o país terá que fazer isso em meio aos preços globais desses combustíveis em níveis tão altos.

Economia chinesa em risco

A crise na economia chinesa atingiu de forma séria vários setores. Por exemplo, o setor industrial, como é o caso de  fábricas de fundições de alumínio, produtores têxteis e esmagadoras de soja, que tiveram que desacelerar a atividade ou, até mesmo, paralisar as operações totalmente.

Sendo assim, cerca de 50% das regiões chinesas não conseguiram cumprir a meta de consumo energético, que foram estabelecidas para controlar a crise e o uso de eletricidade.

Entre as áreas mais afetadas, se encontram as cidades de Jiangsu, Zhejiang e Guangdon. Em conjunto, essas cidades correspondem a 30% da toda a economia chinesa.

Crise de energia na China pode ameaçar o desempenho da economia brasileira?
Crise no mercado chinês

Resquícios no Brasil

A piora da crise de energia na China, junto com o risco da Evergrande não pagar sua  enorme dívida com o Brasil, avaliada em US$ 300 mil, é um grande problema.

Vale lembrar que dívida enorme com o Brasil e a crise de energia podem significar um colapso no sistema financeiro chinês, o que geraria problemas nos mercados e economias internacionais. Afinal, a China é uma grande compradora de produtos internacionais. Além disso, a Evergrande também tomou empréstimos em outros países.

Em suma, a recuperação econômica após os lockdowns da Covid-19, que impulsionou a demanda de famílias e empresas, coincide com menores investimentos de mineradoras e petroleiras, o quais tiveram sua produção drasticamente reduzidas.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais