Copel (CPLE6) mira ampliar dividendos com nova política, diz CFO

Uma nova política de dividendos aprovada pela estatal paranaense Copel deverá aumentar a remuneração aos acionistas e tornar a distribuição dos proventos mais previsíveis, defendeu nesta quinta-feira o diretor financeiro da companhia, Adriano Rudek de Moura, em teleconferência.

Segundo a Reuters, pela regra a companhia controlada pelo governo do Paraná poderá pagar 50% do lucro ajustado em dividendos caso sua alavancagem financeira esteja entre 1,5 vez e 2,7 vezes. Se o índice for inferior a 1,5 vez, os proventos serão de 65% do lucro.

Copel (CPLE6) marca para novembro leilão da telecom com preço-alvo em R$ 1,4 bi

A política

A política também prevê que a empresa poderá propor dividendos extraordinários, acima desses parâmetros, mas limitados ao saldo das reservas de lucros. Essa opção depende de consulta ao conselho fiscal e aprovação em assembleia de acionistas.

A Copel divulgou em janeiro que recebeu um pedido do governo estadual para que verificasse a possibilidade de pagamento de dividendos extraordinários neste ano “no maior valor possível”.

“Existe a possibilidade de pagamento de dividendos extraordinários. Pela nova política existe, sim, em casos excepcionais e ela sendo aprovada pela assembleia, não é nem pelo conselho”, disse o presidente da companhia, Daniel Slaviero, que também participou de teleconferência com investidores sobre a mudanças nos proventos.

Alavancagem

Se a alavancagem financeira superar 2,7 vezes, no entanto, a companhia não poderá propor dividendos acima do mínimo de 25%, mesmo em caso de distribuição extraordinária.

O nível de alavancagem atual da Copel é considerado baixo, e está em 1,3 vezes, disse o diretor financeiro.

Ele acrescentou, no entanto, que a empresa buscará chegar perto do índice de 2,7 vezes de alavancagem para otimizar sua estrutura de capital.

Oferta de ações

Durante a conversa com investidores, o presidente da Copel ainda disse que o governo do Paraná deve perseguir um preço mínimo para a venda de parte de suas ações empresa devido a uma lei estadual que não permite negociação dos ativos abaixo do valor patrimonial.

Esse piso hoje seria de cerca de R$ 73 por papel, acrescentou

A empresa anunciou na véspera que seu conselho de administração aprovou recomendação para migração ao Nível 2 de governança da bolsa B3, o que será decidido em assembleia de acionistas. Mas o governo do Paraná condicionou a aprovação da proposta à venda de parte de sua fatia na empresa, embora prevendo manter o controle.

“O que acontece se o governo não conseguir realizar a oferta por causa do preço mínimo? A empresa continuará no Nível 1”, disse o CEO da Copel, após questionamento de um analista sobre a legislação estadual.

“Essa conta de referência, considerando o terceiro trimestre, esse valor seria ao redor de R$ 73”, explicou o executivo.

“Eu, particularmente, entendo que seria muito bom para a companhia migrar para o Nível 2”, acrescentou.

O governo

O governo paranaense espera realizar sua venda em uma oferta secundária, acompanhando um movimento do braço de participações do BNDES para vender ações que detém na Copel. O BNDES contratou o BTG Pactual para coordenar a operação.

“O BNDES a gente sabe que eles têm sim um preço mínimo também, mas um preço mínimo interno, não é conhecido por nós”, disse Slaviero, após pergunta de um analista.

Veja CPLE6 na Bolsa:

  • Só clique aqui se você já for investidor

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais