Com aquisição da Easynvest, Nubank vai oferecer investimento em Bitcoin

Com o objetivo de facilitar ainda mais a maneira de investir, o banco digital e a corretora de investimentos começam a integrar suas marcas

O Nubank anunciou recentemente a aquisição da corretora Easynvest, com a compra, um dos maiores bancos digitais brasileiros está prestes a oferecer investimentos com criptomoedas.

A novidade não é uma surpresa, uma vez que a Easynvest já tinha opções de investimento como: o ETF de Bitcoin da QR Capital (QBTC11).

“Bitcoin é uma forma de dinheiro unicamente digital, sendo uma tecnologia inovadora e que está em pleno desenvolvimento. Na Easynvest, temos um ETF de Bitcoin. Funciona como um ETF normal, mas como ativo subjacente do preço da moeda. Ou seja, o ETF de Bitcoin segue o preço do ativo. É uma forma mais simples e até mais segura para investir na criptomoeda”, informa a corretora.

Easynvest by Nubank

As negociações entre a Nubank, que já vinham desde setembro de 2020, foram concluídas recentemente. As marcas iniciaram as suas integrações e prometem facilitar a maneira de investir.

Com operações totalmente online, a nova Easynvest by Nubank tem cerca de 1,6 milhão de clientes e R$ 25 bilhões de ativos. O CEO da corretora, Fernando Miranda, será o líder e responsável por gerenciar toda a área de investimentos do banco.

Entretanto, o Nubank é considerado como atrasado nessa área, uma vez que instituições tradicionais já estão no mercado de criptomoedas nacional como, por exemplo: Itaú, BTG e Banco do Brasil, que já oferecem investimento em criptoativos por meio do ETF Hashdex.

Com aquisição da Easynvest, Nubank irá oferecer investimento em Bitcoin

XP Investimentos

Além do Nubank, a  XP Investimentos também pretende entrar no mercado de criptomoedas, no qual os sócios, no passado, criaram (e também encerraram) a XDEX, corretora de investimentos que oferecia exposição ao dinheiro criptografado sem permitir a custódia dos ativos.

Dessa forma, o fundador da XP, Guilherme Benchimol, voltou a discutir o assunto recentemente, observando o sucesso das negociações de criptos no país.

De acordo com informações, a corretora não entrou antes no mercado de criptomoedas devido a um veto do Itaú, que tinha a maior participação de ações na empresa.

Entretanto, atualmente, o Itaú se separou da XP. Portanto, a empresa viu uma oportunidade de voltar ao mercado de criptomoedas, ideia que teria ganhando força internamente com Benchimol abrindo novos caminhos.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais