A Braskem (BRKM5) estimou em R$ 3 bilhões os custos e despesas adicionais para a implementação de medidas definidas pela Agência Nacional de Mineração (ANM) para fechamento de minas instáveis de extração de sal em Maceió (AL).

A petroquímica afirmou em fato relevante que as medidas cobradas pela ANM incluem fechamento de minas e preenchimento com material sólido de determinados poços adicionais de extração de sal.

Braskem (BRKM5) registra prejuízo de R$ 2,5 bi no 2TRI

BRKM5: as ações

As ações da empresa recuavam 1,75% às 13h26 (horário de Brasília), enquanto o Ibovespa tinha recuo de 0,4%.

No balanço financeiro do terceiro trimestre, a Braskem havia informado provisões de cerca de R$ 8 bilhões relacionados ao afundamento de solo que autoridades atribuem à atividade de mineração da Braskem realizada abaixo de Maceió e que forçou a realocação de milhares de moradores.

Despesas relacionadas

Isso significa que as despesas relacionadas ao fenômeno somam agora cerca de R$ 11 bilhões ou 70% da receita líquida da empresa entre julho e o fim de setembro.

A Braskem afirmou nesta quinta-feira que os novos custos vão incorrer ao longo de três anos e que a empresa não descarta novas provisões relacionadas aos problemas em Maceió.

Planner

A Planner reafirmou suas boas expectativas sobre os resultados do quarto trimestre de 2020 da Braskem (BRKM5) após a companhia ter reportado números consistentes na temporada de balanços mais recente.

“Os resultados operacionais da Braskem no terceiro trimestre foram muito bons, com um forte crescimento do Ebitda, não só na comparação com o trimestre anterior, mas também em relação ao terceiro trimestre de 2019”, destacou o analista Luiz Francisco Caetano.

O Ebitda recorrente da companhia totalizou R$ 3,7 bilhões no período. O montante corresponde a uma forte alta de 129% em relação ao mesmo intervalo do ano passado.

Veja BRKM5 na Bolsa:

https://youtu.be/DKr6qFXozak
Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: