BR Properties (BRPR3) paga R$ 23,6 milhões em dividendos aos seus acionistas

Têm direito aos dividendos, investidores com posição acionária na empresa

Nesta quarta-feira (30), vai ser realizado o pagamento de dividendos aos acionistas da BR Properties (BRPR3), conforme aprovado pelo banco no dia 26. O valor de R$ 23.680.704,06 será distribuído sem retenção de imposto de renda.

Os investidores com posição acionária que compraram ações até a data de aprovação, terão direito aos dividendos. Assim sendo, receberão da BR Properties um valor de R$0,049 por unidade.

BR Properties no primeiro trimestre

Os resultados do primeiro trimestre deste ano da BR Properties apresentaram um valor líquido de R$13,4 milhões. Comparado ao trimestre de 2020, houve uma diferença de 7% a menos. 

Além disso, neste trimestre, foi apontado um crescimento de 14% no Ebitba (taxa que revela a capacidade da empresa de gerar caixa) ajustado, que atingiu R$61,1 milhões. A propósito, a margem do Ebitba encerrou em 74%, com uma adição de 3 pontos percentuais.

Na bolsa de valores, as ações da BR Properties concentram uma queda de 4,52% na última semana. Já nos últimos 12 meses, registrou um avanço de 5,31%.

BR Properties (BRBI11) paga R$ 23,6 milhões em dividendos aos seus acionistas
BR Properties (BRBI11) paga R$ 23,6 milhões em dividendos

Tributação de dividendos

Será cobrado 20% de Imposto de Renda sobre os dividendos (parte do lucro distribuído pelas empresas a acionistas), de acordo com a proposta realizada pelo governo na última sexta-feira (25).

Para 2022, a estimativa é que essa arrecadação federal com a tributação dos dividendos cresça R$18,5 bilhões. Logo, para o ano seguinte, a previsão é de R$54,9 bilhões a mais. Enquanto 2024, cerca de R$58,15 bilhões.

Segundo o governo, a intenção desta proposta é que a arrecadação federal tenha um impacto neutro. Com efeito, no primeiro ano, as receitas da União aumentarão em torno de R$1 bilhão.

Por consequência, a tributação dos dividendos permitirá um mecanismo mais justo. Dessa forma, impedindo que os mais ricos deixem de pagar os impostos de seus investimentos, de acordo com o Ministério da Economia.

Além disso, se a distribuição passar a ser taxada, como consta na proposta, incentivará o reinvestimento dos lucros por parte das empresas.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais