Bolsonaro aumenta alíquota do IOF até dezembro; entenda como a mudança afeta os investimentos

O decreto tem como objetivo arrecadar recursos para compensar o novo Bolsa Família

Na última quinta-feira (16), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) assinou um decreto para aumentar a taxa do IOF (Imposto Sobre Operações Financeiras). A medida prevê a elevação da tarifa até o final de 2021.

De acordo com o governo, o aumento aconteceu devido à necessidade de arrecadar recursos financeiros para compensar e financiar o Auxílio Brasil, programa que ocupa o lugar do Bolsa Família.

A alíquota tem previsão para entrar em vigor na próxima segunda-feira (20). O governo não divulgou a nova tabela com os aumentos do IOF. No entanto, os analistas preveem que a taxa anual seria elevada de 1,50% para 2,04% para pessoa jurídica. Além disso, para Pessoa Física, subiria de 3% para 4,08%.

Como tudo isso vai funcionar? O que é essa alíquota e como ela interfere nos investimentos? Veja a seguir:

O que é IOF?

A alíquota de IOF é um tipo de imposto cobrado pelo Governo Federal sobre alguns tipos de transações financeiras. Em suma, ela é cobrada sobre financiamentos, cheque especial, empréstimos, compras com cartão de crédito, investimentos de renda fixa, seguros e operações de câmbio.

Portanto, todo banco ou instituição financeira recolhe esses valores das operações mencionadas acima e repassa aos cofres públicos. A isenção desse tipo de imposto só vale em transações entre pessoas físicas.

O que muda após o aumento?

Em tese, a mudança é apenas no valor da taxa, que vai ficar mais cara. Vale ressaltar que a cobrança desse imposto em investimentos se aplica quando a pessoa resgata o dinheiro aplicado em menos de um mês após a aplicação. Esse tipo de operação acontece normalmente em investimentos de renda fixa,  como Tesouro Direto, fundos DI e de curto prazo.

Além disso, há isenção desse tipo de taxa em aplicações de LCIs e LCAs, fundos imobiliários e as debêntures incentivadas (títulos de dívida de empresas). A princípio, o valor de IOF é fixo. No entanto, em alguns casos, a taxa vai de acordo com o valor que o investimento rendeu.

Bolsonaro aumenta IOF até dezembro; entenda como a mudança afeta os investimentos
Ilustração Imposto Sobre Operações Financeiras

Consequências

Quais as consequências econômicas desse aumento? Pode parecer um aumento insignificante, mas a preocupação de alguns especialistas é que ele possa diminuir ainda mais o poder de compra do consumidor. Afinal, o mesmo já está lidando com uma conta de luz mais cara e produtos com preços sob a influência de uma inflação à 9,68% no acumulado de 12 meses.

Anteriormente, o IOF chegou a 0 e teve isenção em todas operações devido à crise gerada pela pandemia. Em suma, a cobrança retornou aos brasileiros a partir do primeiro dia de 2021.

O que dizem especialistas

“Como consequência, podemos ver uma redução na atividade econômica. Quando isso acontece, o PIB tende a reduzir. O pesadelo de qualquer economia é esse: baixo crescimento com inflação forte”, afirma Sérgio Vale, economista-chefe da MB Associados.

“A mudança do IOF acaba vindo junto com a expectativa de uma aumento acentuado da Selic para os próximos meses, aliado com o aumento do risco de crédito, o que gera um custo muito mais elevado para as empresas. Isso desestimula o empresário a realizar investimentos”, disse Fabrizio Velloni, economista chefe na Frente Corretora de Câmbio.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais