ANEEL sobe conta de luz mais uma vez utilizando bandeira vermelha 2

A ação da Agência Nacional de Energia Elétrica tem o objetivo de racionar o consumo para evitar maiores consequências vindas da crise hídrica

A partir de hoje (29), as contas de energia elétrica virão mais caras. Isso porque a Agência de Energia Elétrica (ANEEL) aderiu à bandeira vermelha 2. O propósito do novo aumento é evitar possíveis consequências devido a crise hídrica, como apagões.

Vale lembrar que as contas já estavam sendo cobradas na bandeira vermelha, porém o nível dois será ainda mais caro. A ANEEL decidiu aumentar em a tarifa em 52%.

Atualmente, o valor cobrado a cada 100 quilowatts consumidos por hora (kW/h) é de R$ 6,24. No entanto, com a bandeira vermelha 2 , o valor vai para R$ 9,49. Portanto, segundo alguns especialistas, a conta mais salgada terá forte impacto na inflação.

Medida Provisória

Além dos aumentos na conta de luz promovidos pela ANEEL para evitar consequências da crise hídrica e forçar o racionamento de energia, o Governo Federal também adotou algumas precauções.

Foi anunciada na última segunda-feira (28) uma medida provisória (MP). A lei sugere a criação de um comitê interministerial com direitos de tomar ações emergenciais para evitar desdobramentos maiores da crise hídrica. Além disso, nega a possibilidade de racionalização compulsória de energia.

A Medida Provisória 1055, apelidada de MP do racionamento, tem um texto que foca na possibilidade de contratação de energia elétrica ou de reserva de capacidade. Dessa forma, o objetivo é conseguir passar pelo segundo semestre de 2021, que é a reta final do período de seca.

ANEEL sobe conta de luz novamente; bandeira vermelha 2 será utilizada
Conta de energia elétrica

Crise hídrica X economia de 2021

Com bandeira tarifária em nível mais alto, a conta de luz pode pressionar a inflação e acelerar o aumento dos juros. Isso, justamente no momento em que o Brasil precisa diminuir os efeitos da crise causada pela pandemia.

Desse modo, foi retomado uma discussão sobre a crise hídrica de 2001. As medidas adotadas para deter o problema focaram na redução do uso de energia, que por sua vez paralisou a atividade econômica e prejudicou a retomada econômica do Brasil, a qual saía da crise cambial de 1999.

Os brasileiros tiveram que reduzir o uso de eletricidade em 20%. Caso contrário, haveria riscos de sanção na conta de luz e cortes de energia. Além disso, aqueles que reduzissem o consumo além da meta, tinham descontos.

Em suma, a ação do governo naquela época resultou em consequências para o PIB do Brasil. Especialistas temem que a crise econômica enfrentada naquela época se repita em 2021.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais