Ações da CCR (CCRO3) valorizam após fim da disputa judicial com estado de São Paulo

Na visão do mercado, o acordo reduz riscos regulatórios e valoriza as ações

Nesta terça-feira (29), a Companhia de Concessões Rodoviárias (CCRO3) assinou um acordo que estabelece o fim da disputa judicial com o Estado de São Paulo, envolvendo os aditivos das concessões da AutoBAn, ViaOeste e SPVias, acertadas em 2006.

Em suma, as controladas da companhia se comprometeram a pagar um total de R$1,2 bilhão de reais ao governo de São Paulo em até 15 dias. O valor será dividido em R$ 352 milhões pela AutoBAn, R$ 263 milhões pela SPVias e R$ 585 milhões pela ViaOeste

“Com o acordo, é previsto uma redução da taxa interna de retorno (TIR) contratual nos cálculos dos desequilíbrios que lhes são desfavoráveis”, afirmou a CCR.

Previsão das ações (CCRO3)

Na avaliação dos analistas do banco de investimento Credit Suisse, o acordo aumenta a duração do fluxo de caixa em até 3 anos. Além disso, diminui o risco regulatório e permite que a CCR invista em projetos futuros.

O Credit Suisse prevê um valor líquido de R$8,2 bilhões. Isto é, cerca de 30% do valor de mercado da companhia. Logo, o banco recomenda a compra.

“A resolução de desequilíbrios e disputas judiciais passadas proporciona uma folha limpa para as concessões. Assim, permitindo à CCR adicionar novos investimentos aos contratos atuais com a assinatura de novos aditamentos. Além disso, focar totalmente em projetos futuros que possam agregar aos acionistas”, pontua.

Contudo, o banco analisa que era esperado a adição de compromissos do investimento às concessões.

Ações da CCR (CCRO3) valorizam após fim da disputa judicial com Estado de São Paulo
Imagem da sede CCR SPVias

Outras análises

Segunda a análise do Itaú BBA, este acordo simboliza uma marca fundamental a CCR por abrir “um terreno fértil para futuras alterações contratuais”. Além disso, reduz o risco dos investidores.

“Nossas estimativas são justificadas principalmente pela atraente taxa interna de retorno (TIR) no valor de mercado, que atualmente está em 9% reais, comparado com um retorno da ordem de 4% pago pelos títulos públicos atrelados à inflação (Tesouro IPCA+) com prazo de 14 anos”, pontuaram analistas do Itaú.

Valorização durante o dia

Após o anúncio do acordo, nesta terça-feira (29), o dia iniciou com a valorização das ações da CCR. Assim sendo, as ações subiram 4,29%, chegando em R$ 13,82 durante a manhã.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais