Andar com dinheiro em espécie é cada vez mais raro no Brasil, seja por segurança, ou apenas pela facilidade que os cartões possibilitam. Por conta disso, o especialista Henrique Carbonell preparou cinco dicas para organizar as vendas com cartão de crédito.

Sócio fundador da Finanças 360º, empresa especializada em sistema de gestão financeira com conciliação automática de vendas por cartão para o pequeno e médio varejo, ele lembra que uma pergunta já assimilada por qualquer empresa que venda algum produto ou serviço é: “crédito ou débito?”.

“Nos últimos anos, o cartão se popularizou muito no país em diferentes classes sociais e se tornou um meio de pagamento dominante, sendo capaz de movimentar transações tanto no varejo físico quanto no on-line”, disse.

E acrescentou: “contudo, as facilidades para o consumidor escondem a complexidade da operação para lojistas e empresários. Há diversas particularidades que podem comprometer a rentabilidade do negócio e levar à falência.”

Contudo, elencou, com estas cinco dicas essenciais, é possível organizar as vendas e ampliar as receitas.

Cartão de crédito

Cartão de Crédito: dicas

  • 1 – Tenha cuidado com o fluxo de caixa

A principal dica para o varejista é redobrar o cuidado em relação ao fluxo de caixa. É preciso acompanhar e, principalmente, registrar todas as movimentações de entrada e saída de dinheiro.

Isso é importante porque os cartões bagunçam as receitas dos negócios, com diferentes datas para pagamento, parcelas, taxas, entre outros elementos.

Em suma: a entrada de recursos é totalmente diferente em relação à saída, e só um bom planejamento é capaz de garantir a rentabilidade da empresa mês a mês. 

  • 2 – Atente-se à segurança e às despesas extras

Outro item essencial para quem trabalha com cartões é aumentar a segurança nas transações. Ainda hoje não é incomum encontrar relatos de fraudes com cartões clonados e roubados.

O ideal é ficar atento a qualquer movimentação suspeita e conferir os dados apresentados no cartão pela pessoa.

Além disso, os cartões também aumentam as despesas do varejista, como a necessidade de alugar ou adquirir equipamentos e as taxas pagas por transação, dependendo do acordo feito com a fornecedora. 

  • 3 – Ouça seu cliente e trace novas estratégias

A venda de cartões abre novas possibilidades de relacionamento ao cliente, identificando valores e condições de parcelamento que eles desejam para este meio de pagamento.

A partir das informações disponíveis pelas transações, tente ouvir o que seu consumidor deseja, identificando elementos que ajudem a fidelizá-lo para compras futuras e garantindo maior recorrência de compras. 

  • 4 – Saiba extrair inteligência a partir dos dados 

Isso leva à quarta dica: é preciso saber trabalhar com os dados que as vendas de cartões disponibilizam. São informações valiosas que podem não só melhorar as estratégias de marketing e experiência do consumidor, mas facilitar a própria gestão financeira e operacional do negócio.

Quanto mais conteúdo o gestor tiver sobre o desempenho financeiro, melhor será a tomada de decisão no futuro. 

  • 5 – Conte com o apoio da tecnologia 

Por fim, a boa notícia é que o empresário não precisa fazer isso sozinho ou manualmente. Ele pode – e deve – contar com o apoio de soluções tecnológicas.

Por meio de plataformas de gestão, o varejista consegue acompanhar seu controle financeiro, desde a conferência do fechamento de caixa até o DRE (Demonstrativo do Resultado do Exercício), passando pela necessária prática de conciliação de cartões.

Além disso, consegue ter um acompanhamento da evolução de vendas, do ticket médio, metas por loja e/ou vendedor, entre outros indicadores.

Dessa forma, ao invés de perder tempo consolidando informações e transações, ele tem liberdade para fazer aquilo que mais sabe: gerenciar seu negócio com qualidade e eficiência. 

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: