O ano de 2020 será eternamente lembrado como o ano da pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19), que impactou o mercado de ações, além da economia como um todo.

Em meio às fatalidades e desafios econômicos, houve quem ultrapassasse a tempestade sem muitos problemas.

Ou melhor, houve quem ganhasse com as oportunidades aproveitadas frente às circunstâncias impostas. Com isso, os bem aventurados foram os investidores atentos e as empresas bem geridas, que souberam coordenar os recursos para um fim eficiente.

ETF - o que é e como investir
ETF – o que é e como investir

B3: ações

Em março, após a queda astronômica da B3 (B3SA3), inúmeros investidores aproveitaram o momento para adicionarem alguns ativos em suas carteiras.

Esta estratégia se mostrou bem sucedida, uma vez que o Ibovespa-2,54% conseguiu se recuperar ainda em 2020. Se sua pontuação fechou o último dia de dezembro de 2019 em 115.645 pontos, um ano depois parecia que nada havia acontecido, com o fechamento da bolsa estabelecido em 119.010 pontos.

Empresas

Do lado das empresas, os negócios de e-commerce foram recompensados pelos amplos investimentos e pioneirismo no ramo do marketplace digital. Testadas em um momento de restrições sociais instituídas pelo governo, as corporações e pequenos negócios deram passos largos em direção à digitalização de suas lojas.

Além do ramo das empresas de crescimento, comércios voltados ao abastecimento exterior também apresentaram resultados generosos. Com a demanda internacional estável, baixa no câmbio e rápida recuperação econômica chinesa, as blue chips exportadoras viram suas ações serem amplamente valorizadas.

E-commerce

Considerada por muitos como uma empresa de tecnologia, a Magazine Luiza (MGLU3)+0,97% conseguiu usar a lógica do marketplace a seu favor. Os investimentos no digital foram ampliados e as vendas diretas foram estimuladas. Durante o ano, a corporação apresentou resultados generosos, enquanto suas ações tiveram alta de 104,84%.

Já a B2W (BTOW3)+5,11%, empresa que funciona como host para lojas digitais já bem consolidadas, tal como a Submarino, Americanas (LAME4) e Shoptime, viu suas ações crescerem 21,17% em 2020. A rápida identificação de oportunidades e gestão eficiente, além do sistema multicanal, foram alguns dos fatores que impulsionaram a corporação durante o ano.

A Via Varejo (VVAR3), dona das marcas Ponto Frio e Casas Bahia, também conseguiu reverter os prejuízos registrados em 2019. Só no terceiro trimestre de 2020, a empresa registrou lucro de R$ 590 milhões, sendo que o e-commerce correspondeu à 41% do total das vendas. Impulsionada, também, pelas vendas sazonais e de fim de ano, a empresa teve alta anual de 40,52% em suas ações.

  • Só clique aqui se já for investidor

Exportadoras

Se por um lado as empresas de crescimentos observaram seus lucros se multiplicarem, as grandes blue chips de valor também viram suas receitas dispararem. A demanda internacional estável, baixa cambial e rápida recuperação econômica chinesa valorizaram os papéis de empresas voltadas ao comércio exterior, tal como:

A Marfrig (MRFG3)-0,85%, segunda maior empresa de carne bovina do mundo, aproveitou a alta nos preços médios das exportações e faturou R$ 673,6 milhões no terceiro trimestre de 2020. O resultado é seis vezes maior do que o registrado no mesmo período de 2019. Quando analisamos seus papéis, vemos que a tendência se repete, sendo que as ações da corporação apresentaram alta de 48,67% no ano.

MRFG3: ações

Em convergência com a onda positiva que afetou a Marfrig, a JBS (JBSS3) também registrou lucros com a exportação de carnes.

No terceiro trimestre deste ano, a empresa registrou lucro de R$ 3,132 bilhões, valor 778,2% vezes maior do que o registrado no mesmo período de 2019.

Além disso, a empresa abriu 3 mil vagas de trabalho no começo do ano, indo na contramão de outros comércios, que optaram pelo corte de gastos e demissão de funcionários.

Apesar de queda de 10,38% em suas ações ao longo do ano, o cenário estável de receitas sugere que há grandes possibilidades de crescimento no futuro.

Outro ramo que se aproveitou do câmbio atraente e demanda global ampla foram as empresas de papel, tal como a Klabin (KLBN4) e a Suzano (SUZB3). Com a expansão no setor de vendas on-line, a procura por embalagens cresceu exponencialmente.

Insumos

Além disso, a demanda por insumos sanitários, tal como papel higiênico e materiais hospitalares, também contribuiu para a expansão nas vendas. Por conta do cenário favorável, as ações da Klabin subiram 46,76% em 1 ano. A Suzano seguiu o mesmo rumo, com alta de 46,35% na B3.

Outra Blue Chip que fez sucesso no último ano foi a Vale (VALE3). A empresa foi beneficiada pela alta no preço do minério de ferro, que atingiu seu valor mais alto desde 2013. Em comunhão com a vantagem monetária, houve expansão na demanda chinesa por ferro, fato que privilegiou as ações da Vale, que cresceram 63,15% em 2020.

Resultados

Com resultados acima do esperado, a siderúrgica Gerdau (GGBR4) registrou lucro líquido de R$ 795 milhões no terceiro trimestre.

O valor representa um salto de 175% em relação ao mesmo período em 2019. A empresa também se aproveita das operações intercontinentais e a alta no valor do minério de ferro. Quanto às ações, a corporação registrou alta de 22,99% durante o ano.

No mais, a Weg (WEGE3), empresa exportadora de bens industriais, também registrou amplos ganhos neste ano. Além de ser beneficiada pelos fatores já mencionados, a Weg possui um diferencial: suas fábricas estão espalhadas por vários países. Isso contribuiu para que a empresa não fosse afetada de uma só vez pela pandemia, já que cada país entrou em quarentena em tempos diferentes. Em apenas 12 meses, as ações da Weg subiram 114,32% na Bolsa de Valores.

Bolsa de Valores: ações

A B3 foi um dos grandes destaques do ano. Desde o fim de 2019, o número de pessoas cadastradas na Bolsa de Valores quase dobrou. O resultado se deve à mínima histórica da taxa de juros, que estipulada a 2% a.a, tornou os investimentos em renda fixa pouco rentáveis. Como reflexo, a renda variável se popularizou entre os que buscavam ativos com retornos mais atraentes.

Em novembro, a B3 computou movimentação de R$ 34,177 bilhões em ativos, valor 74,9% maior do que o mesmo período de 2019. A onda favorável fez com que as ações da B3 se valorizassem 40,19% em 2020.

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: