Nubank é o banco mais valioso do Brasil mesmo com “queda de 50%”

O sonho de estrear na Nyse valendo US$ 100 bilhões não vai se realizar para o Nubank. A instituição financeira, que abre o capital nesta quinta-feira (9) na bolsa de valores americana, vai abrir as negociações valendo mais de US$ 41,5 bilhões – uma queda de mais de 50% frente as primeiras estimativas, mas o suficiente para se tornar o banco mais valioso do Brasil e da América Latina. O Nubank abre o capital valendo R$ 229 milhões, contra R$ 213,5 milhões do Itaú e R$ 188,5 bilhões do Bradesco.

Embora abaixo do sonho do começo do processo, os US$ 9 das ações é o ponto máximo da faixa indicativa deste IPO, que começava em US$ 8. O Nubank já havia reduzido em 20% a faixa na semana passada, por conta da volatilidade dos mercados e a percepção negativa das fintechs brasileiras nos últimos meses no exterior. A abertura de capital, mesmo abaixo do sonho, há de ser vista como um grande sucesso – e é certamente o IPO deste ano.

A começar pela incrível campanha de bonificação de BDRs aos clientes – que dá 1/6 de ação para cada um dos clientes que cumprissem determinados (mas simples) requisitos, o que pode resultar em milhões de novos usuários para a plataforma de investimentos da empresa.

Uma outra iniciativa de muito sucesso foi utilizar apenas a NuInvest como coordenadora da oferta no Brasil, que também obrigou quem quisesse a participar da oferta a abrir conta. A NuInvest, antiga EasyInvest, vem crescendo consistentemente a aquisição.

O banco é uma máquina de abrir contas e conseguir novos clientes, tendo virado febre no Brasil e se consolidado como o maior banco digital do mundo – trazendo até mesmo Warren Buffett como investidor. Três anos atrás, eram 6 milhões de clientes – e no momento da abertura de capital são mais de 48 milhões, distribuídos no Brasil, Colômbia e México, os três maiores mercados da América Latina. Essa vontade e facilidade de expandir suas operações é parte do que justifica o otimismo do mercado.

Seja como for, uma empresa novata se tornar o maior banco de toda a América Latina deve ser, no mínimo, algo de bastante desconforto para os grandes bancos.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais