IPO: GetNinjas, PetroRecôncavo e Rio Branco Alimentos pedem registro para oferta inicial

Na última semana três novas empresa protocolaram na CVM (Comissão de Valores Mobiliários) pedido para oferta pública inicial (IPO, em inglês).

São elas: GetNinjas, PetroRecôncavo e Rio Branco Alimentos que, por meio de listagem em bolsa, pretendem abrir capital e buscar recursos no mercado, para reinvestir em máquinas e equipamentos, além de expansão.

IPO: GetNinjas, PetroRecôncavo e Rio Branco Alimentos pedem registro para oferta inicial

IPO: GetNinjas

A GetNinjas é uma plataforma que conecta profissionais a potenciais clientes. Conforme prospecto, trata-se de uma distribuição primária — quando os recursos vão para o caixa da companhia –, e secundária, que dá saída a acionistas vendedores.

O valor mínimo de pedido de investimento para não institucionais é de R$ 3 mil e o valor máximo de R$ 1 milhão.

A operação terá como coordenador líder o BTG Pactual (BPAC11) e o J.P.Morgan (JPMC34) como agentes estabilizadores. O UBS e o Bradesco BBI completam o time de coordenadores da oferta.

No acumulado de 2020, a empresa registrou uma receita operacional líquida de R$ 41,806 milhões, ante resultado de R$ 22,029 milhões no ano anterior.

Na mesma base de comparação, a GetNinjas apurou um prejuízo líquido de R$ 890 mil, abaixo dos R$ 3,001 milhões apurados em 2019.

IPO: Rio Branco

Já a Rio Branco Alimentos, dona das marcas Pif Paf, Fricasa, Ladelli, Flip e Pescanobre, também entrou na fila e, segundo prospecto preliminar, a oferta será primária.

A companhia disse esperar o procedimento de bookbuilding para então decidir a destinação dos recursos captados. “Enquanto os recursos líquidos decorrentes da oferta não forem efetivamente utilizados no curso regular dos negócios, eles poderão ser investidos em aplicações financeiras que acreditamos estar dentro da política de investimento, visando à preservação de seu capital e investimentos com perfil de alta liquidez”, apontou a empresa em seu prospecto.”

A oferta terá como coordenador-líder o Citi, além da coordenação do Bank of America Merril Lynch e o banco BTG Pactual (BPAC11).

Fundada em 1968, a Rio Branco Alimentos se coloca como uma das maiores empresas nacionais do segmento alimentício de frango e suínos em termos de vendas líquidas.

Em 2020, 86% do portfólio da companhia, com mais 900 produtos, era composto por produtos de alto valor agregado.

Até o final do ano passado, a Rio Branco Alimentos possuía  seis plantas industriais, seis fábricas de ração, cinco matrizeiros e três incubatórios e operava 14 centros de distribuição.

De acordo com o documento, a empresa realiza aproximadamente 80 milhões de abates de aves e mais de 750 mil abates de suínos por ano, industrializando e processando produtos derivados, bem como massas e outros tipos de pratos prontos.

A Rio Branco Alimentos registrou lucro líquido consolidado de R$ 147,906 milhões no exercício de 2020, ante R$ 235,647 milhões em 2019. Na mesma base de comparação, a receita líquida atingiu R$ 2,68 bilhões, contra R$ 2,17 bilhões, e o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) caiu de R$ 265,920 milhões para R$ 198,719 milhões.

IPO: PetroRecôncavo

Por fim, a PetroRecôncavo, operadora independente de petróleo e gás, chega à bolsa após 21 anos de operação na bacia do Recôncavo, na Bahia. A empresa tem adquirido campos oriundos do programa de desinvestimentos recentes da Petrobras.

A receita em 2020 foi de 789 milhões de reais, o dobro ante 2019. A PetroRecôncavo terminou 2020 com prejuízo de 81,7 milhões de reais, mas comemorou a alta do lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda), que subiu mais de 200%.

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais