Ações de empresas aéreas e de turismo caem forte com medo de nova onda da Covid-19

Entre as principais companhias afetadas, estão a Gol (GOLL4), que sofreu uma queda de 11,30%, e a Azul, com uma baixa de 9,40%

Na manhã desta sexta-feira (26), as ações de algumas das maiores empresas áreas e de turismo do Brasil caíram fortemente. Entre as principais companhias afetadas, estão a Gol (GOLL4), que sofreu uma queda de 11,30%, a Azul (AZUL4), com uma baixa de 9,40%, a Embraer (EMBR3), 7,60%, assim como a CVC (CVCB3), quase 8%.

O motivo da queda se deve ao aumento de casos do novo coronavírus (Covid-19) no exterior. Além disso, as autoridades globais estão de olho em uma nova variante do vírus encontrada na África do Sul. Com isso, países como o Reino Unido, Índia e União Europeia já estabeleceram um reforço em suas fronteiras.

 

Setores mais afetados pela Covid-19

Graças a pandemia causada pelo novo coronavírus, alguns setores da Bolsa de Valores (B3) acabam sendo gravemente afetados. Principalmente, o de turismo e aéreo. Isso porque a pandemia e o isolamento social travou os serviços dessas empresas.

Além disso, o setor de entretenimento também foi bastante afetado. No Brasil, grandes eventos, shows, bares e casas noturnas estão voltando a funcionar com capacidade total. Contudo, com a possibilidade de uma nova onda, como ocorreu no exterior, tudo voltará a parar de funcionar.

Ações de empresas aéreas e de turismo caem forte com medo de nova onda da Covid-19
Companhia Azul

Oferta da Azul pela Latam

A Latam, empresa aérea chilena, está em meio a um processo de recuperação judicial. Porém, nesta sexta-feira (26), acaba o seu período de exclusividade para negociar um plano de reorganização. Assim, após a data de hoje, os credores poderão negociar livremente.

Em contrapartida, a Azul já tem apresentando uma oferta pela empresa. No entanto, segundo algumas fontes, a Latam rejeitou a proposta de fusão para sair da recuperação judicial.

“A Azul é um player interessado e esperamos que a proposta da empresa se torne pública em breve, deixando a decisão nas mãos dos credores”, afirma o banco de investimentos BTG Pactual.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais