SLC (SLCE3) fecha arrendamento de 39 mil hectares em áreas da BA e MG com Agrícola Xingu

As lavouras são desenvolvidas e devidamente licenciadas

A SLC Agrícola (SLCE3), uma das maiores produtoras de grãos do país, assinou um contrato de arrendamento com a Agrícola Xingu, do grupo Mitsui, para explorar 39.034 hectares distribuídos entre os municípios de Correntina (BA) e Unaí (MG), afirmou a companhia em fato relevante.

Segundo a Reuters, as lavouras são desenvolvidas e devidamente licenciadas, destinadas ao plantio de grãos e algodão. Considerando que 50% da área irrigada permite plantio de segunda safra, a SLC estima um potencial de plantio de 42.342 hectares, entre soja, algodão e milho, que serão adicionados à área total da companhia já na temporada 2021/22, que começa em setembro.

A área de Correntina (BA) representa 34.284 hectares e de Unaí (MG), os 4.749 hectares restantes.

“Em função das dimensões, para o gerenciamento da área da Bahia será constituída uma nova unidade produtiva, denominada Fazenda Paysandu. A área de Minas Gerais, em função das dimensões e da proximidade, será administrada pela Fazenda Pamplona”, afirmou a empresa.

SLC (SLCE3) fecha arrendamento de 39 mil ha em áreas da BA e MG com Agrícola Xingu

SLC

O valor do arrendamento não foi divulgado, mas, segundo o comunicado, ficou dentro dos “patamares de mercado para a região”.

O contrato contempla o direito de uso das instalações operacionais já existentes nas propriedades, como infraestrutura para irrigação em 6.618 hectares, capacidade de armazenagem para grãos e também unidades de beneficiamento de algodão.

A SLC disse que será necessário apenas o investimento em máquinas, que serão adquiridas da própria Agrícola Xingu. Além disso, a companhia ressaltou que a maioria dos colaboradores será incorporada ao time da SLC.

Ainda segundo o comunicado, o prazo do contrato será de quinze anos para as áreas da Bahia, e dez anos para as áreas de Minas Gerais.

“As áreas arrendadas seguem a estratégia de expansão da Companhia em terras maduras, com alto potencial produtivo e atendendo aos requisitos de adequação ambiental.”

A consumação da operação está sujeita à aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), e ao decurso de prazo de 15 dias após a publicação no Diário Oficial.

Veja SLCE3 na Bolsa:

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais