Preço do venda de imóveis comerciais encerra maio com recuo de 0,14%

O preço médio de venda de salas e conjuntos comerciais de até 200 m² apresentou queda de 0,14% em maio de 2021, enquanto o preço médio de locação do segmento avançou marginalmente (+0,07%).

Em termos comparativos, ambas a variações registradas foram inferiores à inflação medida pelo IPCA/IBGE (+0,83%) e pelo IGP-M/FGV (+4,10%).

No caso específico do preço médio de venda, os recuos registrados em: Florianópolis (-0,98%), Belo Horizonte (-0,65%), Curitiba (-0,57%), Porto Alegre (-0,27%), São Paulo (-0,06%) e Rio de Janeiro (-0,04%) responderam pelo recuo no índice do segmento. Já no tocante ao preço médio de locação comercial, as variações positivas registradas no Rio de Janeiro (+0,70%), em Campinas (+0,63%), Porto Alegre (+0,20%), Curitiba (+0,07%) e São Paulo (+0,01) se sobrepuseram ligeiramente aos recuos observados em Brasília (-2,02%), Niterói (-0,56%), Salvador (-0,40%), Belo Horizonte (-0,30%) e Florianópolis (-0,04%).

Imóveis

Entre janeiro e maio de 2021, o Índice FipeZap de Venda Comercial registra ligeira queda nominal (-0,06%), enquanto o índice de locação acumula uma alta nominal de 0,81% – ambas variações abaixo da inflação medida tanto pelo IPCA/IBGE (+3,22%) quanto pelo IGP-M/FGV (+14,39%).

Já o preço médio de venda comercial acumula uma queda de 1,16% nos últimos 12 meses, enquanto o preço médio de locação apresenta um recuo de 0,49% no mesmo recorte temporal.

Comparativamente, os resultados permanecem abaixo das variações do IPCA/IBGE (+8,06%) e do IGPM/FGV (+37,04%) nesse horizonte. Individualmente, o aumento do preço médio de venda comercial foi observado em: Campinas (+1,68%), Salvador (+083%), São Paulo (+0,65%) e Curitiba (+0,26%), em contraste aos recuos registrados em: Brasília (-11,33%), Belo Horizonte (-3,92%), Porto Alegre (-3,88%), Niterói (-3,25%), Rio de Janeiro (-2,29%) e Florianópolis (-2,17%). Quanto ao preço médio de locação, a alta foi observada em: Curitiba (+1,89%), Salvador (+1,52%), Florianópolis (+1,28%), São Paulo (+1,21%), Campinas (+1,15%), Porto Alegre (+0,97%) e contrapondo-se às quedas no Rio de Janeiro (-5,10%), em Brasília (-2,70%), Belo Horizonte (-1,47%) e Niterói (-1,04%).

  • Só clique aqui se já for investidor

Preço médio de venda e locação

Em maio de 2021, o valor médio do m2 de imóveis comerciais anunciados nas cidades monitoradas pelo Índice FipeZap Comercial foi de R$ 8.402/m2, no caso de imóveis comerciais anunciados para venda, e de R$ 37,30/m2, entre aqueles destinados para locação.

Entre todas as 10 cidades monitoradas pelo Índice FipeZap Comercial, a cidade de São Paulo se destacou com o maior valor médio tanto para venda de salas e conjuntos comerciais de até 200 m² (R$ 9.615/m2), quanto para locação de imóveis do mesmo segmento (R$ 44,29/m2). Comparativamente, no Rio de Janeiro, os preços médios de venda e de locação de salas e conjuntos comerciais anunciados foram de R$ 9.290/m² e R$ 37,31/m², respectivamente.

Pela razão entre o preço médio de locação e o preço médio de venda dos imóveis comerciais, é possível obter uma medida da rentabilidade para o investidor que opta por investir no imóvel com a finalidade de obter renda com aluguel (rental yield). O indicador pode ser utilizado para avaliar a atratividade de salas e conjuntos comerciais em relação a outras opções de investimento disponíveis (como, por exemplo, investimento em imóveis residenciais para obtenção de aluguel ou aplicações financeiras). Em maio de 2021, o retorno médio do aluguel comercial (anualizado) foi calculado em 5,47% ao ano, superando a rentabilidade do aluguel do segmento residencial (4,66% ao ano), assim como o retorno médio real de aplicações financeiras de referência.

O levantamento

Os preços considerados no indicador incluem apenas aqueles veiculados em anúncios para novos aluguéis. O Índice FipeZap não incorpora em seu cálculo a correção dos aluguéis vigentes, cujos valores são reajustados periodicamente de acordo com o especificado em contrato. Como resultado, capta-se de forma mais dinâmica a evolução da oferta e da demanda pelo aluguel de espaços comerciais ao longo do tempo.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais