PME: Só vacinação e planejamento podem salvar as pequenas companhias

Só a vacinação e o planejamento financeiro podem salvar as pequenas, micro e médias empresas, afirma o diretor executivo da Avante Assessoria Empresarial e especialista em administração e reestruturação de empresas Benito Pedro Vieira Santos.

“Nos últimos meses, desde o início da pandemia no Brasil, mais especificamente, tenho sempre tentado buscar pesquisas e estudos que possam nos ajudar a entender e enfrentar melhor os desafios provenientes da oscilação do mercado nacional e internacional em função dos desdobramentos da Covid-19”, disse.

“Sim, este índice é animador considerando principalmente o fato de que as Pequenas e Médias Empresas – PMEs, representam 9,5% milhões de empresas. É importante dizer ainda que esta pesquisa traz um recorte nos setores menos atingidos pela crise – como comércio de alimentos, saúde e educação – e que, por isso, podem ter uma reação mais rápida”, disse.

PME

Foi divulgado ainda que no Brasil, a estimativa é de que aproximadamente 700 mil PMEs tenham encerrado suas atividades em 2020 em decorrência da pandemia, número que tende a crescer nos próximos meses.

Para minimizar o crescimento desses números, não existe saídas alternativas que não seja uma fórmula ‘magica’: a vacinação. O ritmo desta que irá determinar se teremos uma abertura sustentável da economia, atingindo os níveis ideias de atividades. Dentro deste contexto, o Sebrae estruturou um plano de apoio dividido em três fases:

1) Onde estamos agora, com ações voltadas no apoio dos pequenos negócios e na abertura de novos mercados (digitalização das empresas), melhoria das finanças do negócio e desenvolvimento de ações de políticas públicas junto ao Congresso e ao Governo Federal.

2) Quando entrarmos na fase de flexibilização das medidas de isolamento social, reforçamos a importância de continuar observando os protocolos de higiene e saúde com orientações aos empreendedores na renegociação de dívidas e empréstimos, e suas possíveis remodelagens.

3) Pós-vacina, onde apoiaremos os novos negócios que deverão surgir, promovendo o aumento da produtividade das empresas, e incentivo à inteligência de negócios visando o mercado consumidor que está atualmente em constante mudança.

E é claro que os resultados desse estudo podem nortear ações estratégicas para os pequenos negócios. Isso porque além da vacinação, será preciso recorrer mais do que nunca a uma visão e desenvolvimento de ações estratégicas sustentadas por um planejamento estruturado.

Planejamento

Lembrando ainda que, como bem definiu Sâmara Bié- especialista em planejamento estratégico e inteligência comercial, “planejar refere-se ao ato de pensar em um futuro esperado e, elaborar um plano de ação para que se chegue até esse cenário. É importante entender que o planejamento estratégico é uma abordagem que tem a função de direcionar a organização e seus membros na busca de um objetivo comum, isto é, todos caminharão em uma única direção e sentido”.

No entanto, para criar esse objetivo, é fundamental fazer análise do atual cenário, ver quais são os riscos, oportunidades e as ameaças, bem como analisar de que forma contrapor as adversidades, corrigir as deficiências e usufruir do sucesso. Neste processo, o próximo passo seria então implantar metodologias e ferramentas (que estão disponíveis no mercado) usadas para transformar as estratégias em resultados almejados.

“Com isso, frisamos mais uma vez a importância de manter atualizada as métricas do seu negócio, fluxo de caixa de pelo menos 12 meses, D.R.E. (demonstrativo de resultado do exercício) gerencial e, por consequência, o budget. Por fim, nos resta torcer para que a vacinação avance em ritmo acelerado e que novas e importantes estratégias resultem em processos e planejamentos cada vez mais assertivos”.

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais