Pandemia acelerou digitalização dos bancos na América Latina, mostra pesquisa

Segundo pesquisa realizada pela The Economist Intelligence em parceria com a Mambu, líder mundial em soluções de core bancário na nuvem, a pandemia de covid-19 foi um dos fatores para o avanço da digitalização nos bancos da América Latina. De acordo com 84% dos executivos ouvidos, a pandemia forçou o setor a repensar como dirigir seus negócios.

Ainda segundo o estudo, 98% dos executivos de bancos da região afirmam que suas organizações têm uma estratégia digital e 50% categorizam a implementação desta estratégia como avançada. A pesquisa foi realizada com o objetivo de explorar a jornada dos bancos em direção à digitalização e entender como a pandemia da covid-19 influenciou nesse processo.

Bancos

Entre executivos de grandes bancos (com ativos de US$ 1 bilhão ou mais), 40,3% responderam que sua estratégia digital está muito avançada. Já os respondentes de bancos menores e cooperativas de crédito (com ativos abaixo de US$ 1 bilhão) caracterizaram sua transformação como em “bom progresso”.

A avaliação dos executivos é otimista sobre os compromissos das organizações para digitalizar suas operações – 40% deles acredita que verá uma aceleração na sua estratégia de transformação digital como um resultado da pandemia, provavelmente causado por mudanças nos clientes, comportamentos e novas demandas.

E que, inclusive, já é possível identificar algumas mudanças geradas pela crise sanitária, como a grande aceitação de pagamentos digitais, principalmente como resultado da maior adoção do e-commerce.

Eles apontam, contudo, barreiras que incluem riscos de migração de dados para novas infraestruturas de TI, que não são facilmente implementadas no meio de uma crise, e a falta de alinhamento entre as organizações.

Só clique aqui se já for investidor

Segurança

No que se refere à segurança de dados, o mercado financeiro é um dos grandes alvos dos ataques cibernéticos e o tema tem sido uma preocupação persistente para instituições da área. Em resposta a essas ameaças, quase 85% dos bancos aumentaram seus investimentos em segurança cibernética nos últimos três anos. Para os executivos entrevistados, melhorar a segurança de dados é o principal incentivo para a digitalização no setor.

Fintechs

A relação entre bancos tradicionais e as fintechs também mudou e já é vista como um complemento. De acordo com 87% dos respondentes, as fintechs estão forçando os bancos a repensarem como os serviços financeiros são fornecidos e alavancar infraestruturas digitais para melhorar a eficiência operacional.

Enquanto 52,9% dos executivos ouvidos veem os fornecedores de carteiras digitais como parceiros, apenas 22,5% os veem como concorrentes. Empresas de pagamento como Apple Pay e Paypal também aparecem como parceiras, de acordo com 45,1% dos entrevistados, por serem os responsáveis em aumentar os pontos de venda e fortalecer o ecossistema de pagamentos digitais.

Por fim, 39,2% dos entrevistados veem empresas não financeiras, como varejistas e empresas de telecomunicações, como parceiras, já que atuam principalmente como agentes bancários.

A pesquisa ouviu executivos bancários na Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México e Peru no começo do ano.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais