Fibra da Vivo ultrapassa R$1 bi em receita no trimestre com recorde de novos clientes

A digitalização da sociedade continua impulsionando a demanda por internet de ultra velocidade e serviços ligados à tecnologia. Antecipando tendências, a Vivo segue acelerando as iniciativas e estratégias de negócios que, além de priorizar a transformação digital do País com as melhores opções de conectividade, direciona esforços também para trazer e criar soluções que facilitem o dia a dia de seus clientes em diferentes setores, como financeiro, saúde, educação e entretenimento, se fortalecendo como um importante Hub Digital.

As inovações estão acompanhadas de forte investimento em infraestrutura. No primeiro trimestre do ano, a empresa cresceu ainda mais em fibra e atingiu novo recorde, com a adição de 368 mil clientes e mais de R$ 1 bilhão em receita na tecnologia FTTH – que leva fibra para dentro da casa do cliente, com 61% de alta na comparação anual. O negócio core, como fibra e serviços móveis e digitais – que já representam 88% de toda a receita -, registrou ganhos de R$ 9,5 bilhões, com crescimento de 4,7% quando comparado com o mesmo trimestre do ano anterior. Na receita total líquida, a alta foi de 0,2%, alcançando R$ 10,9 bilhões nos três primeiros meses do ano.

Vivo

No período, a Vivo investiu mais R$ 1,9 bilhão, aporte 18% maior quando comparado a igual período do ano passado. O foco foi direcionado na ampliação da cobertura móvel e na expansão da rede de fibra, atualmente em 276 municípios com 16,3 milhões de domicílios cobertos. Através de forte ambição de crescimento orgânico, parcerias e, com a criação da FiBrasil, joint venture entre Vivo, Telefónica Infra e grupo canadense CDPQ, a companhia chegará a 24 milhões de lares e empresas até o final de 2024, além da expansão da Terra Fibra – projeto de franquia de banda larga da companhia.

“Nossa estratégia está centrada na digitalização das cidades brasileiras, essencial para popularizar o acesso a uma internet de qualidade e fomentar a economia local, com geração de empregos e novas oportunidades de negócios a partir de uma conexão segura, veloz e estável. Neste momento que estamos vivendo, vamos continuar avançando com ainda mais fibra por todo o País e soluções digitais que apoiem o dia a dia dos nossos clientes e empresas”, explica o presidente da Vivo, Christian Gebara.

  • Só clique aqui se já for investidor

Crescimento

O crescimento da receita de FTTH foi fundamental para a alta das receitas de todas as tecnologias em fibra (FTTx), que no trimestre evoluíram 20,3%. O IPTV também está cada vez mais associado à conectividade de fibra e contribui para reforçar a proposta de valor da empresa. No trimestre, a receita do segmento avançou 26% na comparação anual.

O volume de acessos em FTTx cresce igualmente. Nos três primeiros meses do ano, a Vivo registrou alta de 6%, atingindo mais de 6 milhões de acessos – deste total, mais de 3,7 milhões de clientes com FTTH. Esse desempenho é atribuído à estratégia da empresa em oferecer conexão veloz e de qualidade, impulsionando não somente a expansão da base de clientes de FTTH, que cresceu 41,2%, mas também a de IPTV, com alta de 21,3%, em relação ao mesmo trimestre de 2020.

Segmento

No segmento móvel e digital, a Vivo manteve a trajetória de alta e apresentou bons resultados em receitas e acessos. A receita líquida móvel evoluiu 1,1%, consequência do bom desempenho do serviço móvel – com destaque para o pré-pago, que aumentou sua receita em 4% – e com a receita de aparelhos, que subiu 10,9% em relação ao mesmo período do ano anterior. Lançamentos de celulares Apple e Samsung, com novas funcionalidades, contribuíram para o incremento dessa linha. Além disso, o desempenho positivo retrata a agilidade e capacidade de reinvenção da área comercial que, mesmo com o fechamento parcial das lojas físicas ocasionado pela pandemia do Covid-19, foi capaz de oferecer modelos alternativos de atendimento, como o Vivo em Casa, o drive-thru, além de melhorias contínuas de interatividade e navegabilidade da loja virtual.

A receita do pós-pago seguiu praticamente estável em comparação ao trimestre do ano anterior, mas com boa migração de clientes pré-pago, contabilizando no trimestre mais de 1,1 milhão de novos acessos – o maior nível desde o final de 2017. A Vivo encerrou o trimestre com 46 milhões de acessos pós-pagos, um crescimento de 5,2%, representando 58,5% da base móvel. O total de acessos móveis atingiu mais de 79,6 milhões de clientes ao final de março, representando um aumento de 6,6% no comparativo anual, com market share de 33,1%, mantendo a liderança incontestável do setor. Os serviços digitais também contribuíram para a maior atratividade do portfólio de planos, resultando em um ARPU com boas perspectivas no médio prazo.

Custos

Os custos operacionais, excluindo gastos com depreciação e amortização, foram de R$6,4 bilhões no trimestre, permanecendo estáveis no comparativo anual, mesmo em um período de aceleração da inflação (IPCA-12M) que registrou alta de 6,1%. O EBITDA recorrente, resultado antes de juros, impostos, depreciações e amortizações, foi de R$ 4,4 bilhões, um aumento de 0,5% quando comparado ao mesmo período do ano anterior, com margem EBITDA de 41,1%. O lucro líquido alcançou R$ 942 milhões, uma redução de 18,3% na comparação anual, refletindo o menor EBITDA e o aumento da depreciação e da despesa financeira. O fluxo de caixa foi de R$ 2,2 bilhões no trimestre, alta de 3,8% quando comparado ao mesmo período do ano passado.

“Nossa receita voltou a crescer no trimestre, impulsionada pela excelente performance dos negócios core, que vêm registrando aceleração no crescimento. Além disso, mantivemos foco constante no controle de custos e eficiência dos investimentos apoiado pelas iniciativas de digitalização e automação de processos”, explica o CFO da Vivo, David Melcon.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais