BTG Pactual neutraliza 100% de suas emissões de carbono diretas e indiretas

O BTG Pactual (BPAC11), maior Banco de Investimentos da América Latina, anuncia que compensou em 2020 a totalidade de suas emissões de carbono (equivalente) para os escopos 1, 2 e 3, incluindo as emissões indiretas, ou seja, que não são controladas pelo Banco, como o deslocamento de funcionários nos trajetos casa-trabalho e as viagens executivas de avião e de carro. É o segundo ano consecutivo em que o banco compensa suas emissões de carbono direta e indireta. Em 2020, o banco adicionou à conta as emissões de todos os seus mais de 90 escritórios de agentes autônomos de investimento (AAIs).

No total, foram aproximadamente 8 mil toneladas de carbono e outros gases causadores do efeito estufa compensadas com a compra créditos de carbono do projeto florestal REDD+ Maísa, localizado na cidade de Moju, no Estado do Pará, que visa promover a conservação da floresta Amazônica e está alinhado à estratégia de ESG do BTG Pactual. O projeto atua em uma área de quase 29 mil hectares, com 128 espécies de flora, das quais oito estão ameaçadas de extinção, e 350 espécies de fauna, das quais 29 estão ameaçadas.

“Este é um marco importante da nossa agenda ESG, reflexo do compromisso do Banco com sustentabilidade. Reconhecer a importância de ações para atenuar os efeitos das mudanças climáticas, e esperamos servir de exemplo para que mais empresas sigam o mesmo caminho”, afirma Roberto Sallouti, CEO do BTG Pactual.

BTG

O inventário de emissões foi elaborado com base na metodologia GHG Protocol e inclui as emissões de carbono das atividades do BTG Pactual a nível global, referente aos escopos 1, 2 e 3: emissões de carbono diretas do Banco; emissões indiretas relacionadas ao consumo de energia da rede e dos geradores dos condomínios onde o Banco tem escritórios; e emissões indiretas de fontes não controladas pelo BTG Pactual, como por exemplo o deslocamento de funcionários nos trajetos casa-trabalho e viagens executivas de avião e de carro, além dos escritórios de agentes autônomos.

“A compensação de todas as emissões de carbono pelo segundo ano consecutivo e a inclusão das emissões dos nossos agentes autônomos reforça o papel do BTG Pactual como indutor de boas práticas do mercado. Achamos importante trazer a temática do ESG para nossos clientes e parceiros”, destaca Rafaella Dortas head de ESG do BTG Pactual.

Em 2020, o BTG Pactual lançou a área de Investimento de Impacto, que fomenta a criação de produtos e serviços que unam retorno financeiro com impacto socioambiental positivo, e se tornou signatário da UNEP-FI, Iniciativa Financeira do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. Em outubro, o BTG Pactual lançou o primeiro ETF ESG do Brasil, e em novembro, a estratégia Landscape Capital, que se dedicará a soluções climáticas naturais a partir da compra de terras devastadas brasileiras e de outros países da América Latina para reflorestamento com mata nativa. E no final de 2020, o banco passou a integrar o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE B3), que reúne em carteira 39 empresas listadas na bolsa com melhor desempenho em sustentabilidade.

Já em fevereiro de 2021, o banco aderiu ao Sustainable Bond Network da Nasdaq (SBNS), banco de dados da bolsa americana que reúne as informações sobre as principais emissões de bonds sustentáveis no mundo. O Banco cadastrou sua captação de US$ 500 milhões em green bonds, realizada em janeiro deste ano, ao lado de outras duas emissões menores realizadas em 2020, e se tornou a primeira instituição financeira da América Latina a integrar a lista.

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais