3 dicas para equilibrar a saúde mental com a financeira

Chegar no fim do mês sem ter recursos financeiros para quitar as dívidas é uma das preocupações que mais prejudica o sono de muita gente, não é mesmo? O número de famílias endividadas no país alcançou, em abril, 67.5%, segundo Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Pois é, a situação financeira de um indivíduo pode sim influenciar diretamente na sua saúde mental e acabar prejudicando outras áreas da vida. Mas, também é totalmente possível reverter esse quadro com ajuda médica e, claro, educação financeira.

“Um dos principais problemas financeiros de quem sofre quando a conta não fecha no azul é a falta de controle e a dificuldade de assimilar tudo o que se ganha versus o que se gasta”, explica Luciana Ikedo, assessora de investimentos, CEO e fundadora do escritório Ikedo Investimentos . “Muitos acabam se excedendo e ficando no negativo sempre, e é isso que leva ao endividamento”, reforça Ikedo. Esse é um problema que parece ser apenas com o dinheiro mas, que pode desencadear outros riscos. São exemplos de problemas financeiros: a compulsividade e confundir a necessidade com o desejo.

Saúde Mental

A boa notícia é que a mudança de hábitos pode ser uma grande aliada nesses casos. E, como toda mudança, tal atitude pode ser difícil no começo mas, é preciso insistência. A especialista relaciona algumas dicas que podem ajudar nesse equilíbrio entre a saúde mental e a financeira, confira:

  • Procure enxugar os seus gastos. Comece cortando supérfluos do orçamento e oxigene a sua renda. Dessa forma será possível voltar a fazer planejamentos e sonhar com objetivos mais plausíveis que proporcionem uma satisfação muito mais duradoura. Para que você tenha uma vida financeira equilibrada, a regra de ouro é: gaste sempre menos do que você ganha. E esse ajuste orçamentário precisa ser feito já, visando não só a sua saúde mental, mas também o seu bem-estar financeiro e a busca por seus objetivos.
  • Evite gastar em busca de compensação emocional. Algumas pessoas também gastam para contrabalançar algum tipo de frustração ou outro problema. A lógica é sempre a mesma: “se eu trabalho demais, vou comprar por que eu mereço” ou “quando eu consigo um bom resultado profissional, vou comprar porque estou feliz”, e assim por diante em uma armadilha mental que quase sempre resulta em um desastre financeiro. Para não cair nessas armadilhas e retomar o controle da sua vida financeira, prezando também pela saúde emocional, é importante avaliar realmente o que está por trás da decisão de compra. Saia do lado emocional e parta para o lado racional.
  • Faça um orçamento e tenha controle sobre os ganhos e gastos. É imprescindível que você traga o dinheiro para um patamar controlável e que pode gerar mais tranquilidade e evitar que esses problemas ocorram. “Tenha consciência de que a liberdade financeira vai proporcionar muitas oportunidades e realização de sonhos mas, é você quem controla o dinheiro e não o contrário. Entenda que é mandatório que você assuma, hoje mesmo, as próprias rédeas das suas finanças e consiga contornar situações adversas”, finaliza a especialista.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais