XP/Ipespe: aumenta a reprovação de Bolsonaro e a força de Lula

A rodada de março da pesquisa XP/Ipespe registra continuidade na trajetória de aumento da reprovação à gestão do presidente Jair Bolsonaro.

O grupo dos que consideram a administração ruim ou péssima cresceu 3 pontos percentuais, indo de 42% a 45% — a tendência de alta é registrada desde outubro do ano passado, quando as avaliações negativas estavam em 31%. Os que consideram o governo ótimo ou bom oscilaram de 31% para 30%.

XP/Ipespe: aumenta a reprovação de Bolsonaro e a força de Lula

XP/Ipespe

A mudança coincide com a piora na percepção da atuação do presidente frente à pandemia de coronavírus (a avaliação negativa nessa área específica saltou de 53% para 61%) e com um aumento na percepção de risco sobre a doença (a parcela que diz estar com muito medo do surto cresceu dez pontos percentuais, de 39% para 49%). Também se ampliou a parcela que acredita que a economia do país está indo no caminho errado (63% em março contra 57% em fevereiro).

O percentual dos que pretendem se vacinar “com certeza” está estável em 77%, mas 4% dos entrevistados declararam já ter tomado a vacina, e a proporção daqueles que dizem que com certeza não irão se vacinar caiu de 11% em janeiro para 6% agora.

Foram realizadas 800 entrevistas de abrangência nacional, nos dias 9, 10 e 11 de março. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais.

Eleitoral

A primeira pesquisa XP/Ipespe desde a decisão do Supremo Tribunal Federal que devolveu a elegibilidade ao ex-presidente Lula mostra um acirramento na disputa presidencial de 2022. O presidente Jair Bolsonaro alcança 27% das intenções de voto, enquanto o petista tem 25% no cenário estimulado.

Na sequência aparecem Sergio Moro (10%), Ciro Gomes (9%) e Luciano Huck (6%). Outros candidatos juntos pontuam 10%. Em eventual segundo turno entre os dois, Bolsonaro teria 41% e Lula, 40%.

Segundo turno

Nas outras simulações de segundo turno, Bolsonaro aparece à frente de Fernando Haddad (40% a 36%), de Luciano Huck (37% a 32%), de Ciro Gomes (39% a 37%), de Guilherme Boulos (40% a 30%) e de João Doria (39% a 29%) – mas numericamente atrás de Sergio Moro (31% a 34%). 

No levantamento espontâneo, quando não são apresentados candidatos aos entrevistados, Bolsonaro foi de 21% para 25% e Lula, de 5% para 17%.

Quando questionados sobre o próximo presidente, 52% dizem preferir votar em um candidato que “mude totalmente a forma como o Brasil está sendo administrado”. Outros 29% dizem preferir alguém que “mude um pouco”, 15% “que dê continuidade à forma atual”.

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais