XP Investimentos deve lançar BDRs na Bolsa brasileira após separação com o banco Itaú (ITUB4); entenda

O Itaú Unibanco, por sua vez, tira as amarras para avançar sobre o seu novo rival

Após a aprovação do “divórcio” entre a XP Investimentos e o Itaú Unibanco (ITUB4), as duas maiores forças do mercado brasileiro devem se movimentar.

Desse modo, a XP caminha para sua estreia na Bolsa brasileira (B3), com os Brazilian Depositary Receipts (BDR). Em contrapartida, o Itaú Unibanco está em busca de recursos para avançar sobre o seu novo rival.

Previsão de estreia

A princípio, a previsão é que a negociação da XP Investimentos na Bolsa de Valores aconteça em setembro deste ano. 

Em suma, o projeto inicial intencionava a abertura em janeiro, após a permissão da dupla listagem para empresas brasileiras que possuem o IPO no exterior. 

Entretanto, em meio a proposta do Itaú Unibanco, que presume a separação das ações da XP Part, os planos da corretora foram postergados.

Passos da XP Investimentos

Em seguida, o próximo passo é aguardar o CNPJ da nova empresa no Brasil e a convocação da assembleia para a fusão da XP Part com a XP Investimentos. Desse modo, será estruturado um novo acordo aos acionistas.

Nesse sentido, nasce a XP Investimentos no mundo das BDRs. Assim, qualquer investidor tem acesso às ações, como ocorre, por exemplo, uma ação da Tesla ou da Amazon.

Por conseguinte, o capital em circulação da XP avança de 27% para 48%. Posto que, fica a critério de cada acionista que recebeu os ativos da corretora proporcional à sua participação, retirar ou não da carteira.

XP Investimentos deve lançar BDRs na Bolsa brasileira após separação com o banco Itaú (ITUB4)
Logomarca da XP Investimentos (montagem de Andrei Morais)

XP Investimentos x Itaú Unibanco

O Itaú Unibanco adquiriu 49,9% da XP Investimentos, avaliado em R$12 bilhões. Atualmente, o valor de mercado da corretora, pelo câmbio de momento, é de R$ 118 bilhões.

Assim, poderia haver uma pressão sobre as vendas dos papéis. Por menos que, não parece um grande problema para a XP agora. Analistas apontam que há investidores com perfil de “capital profundo” interessados em montar posições na empresa.

Com o divórcio entre as instituições, serão traçados novos planos estratégicos. Com o recuo do Itaú, uma sequência de direitos que eram atribuídos ao banco caem, como o direito de vetar as aquisições e fusões.

De acordo com o Itaú, a separação simboliza uma liberdade para concorrer com sua rival, a XP Investimentos. Assim como, a possibilidade de afrouxar os valores aos acionistas.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais