Vale (VALE3) informa reeleição de CEO e diretores da companhia para novos mandatos

A mineradora Vale (VALE3) informou que o conselho de administração da companhia aprovou a reeleição do diretor-presidente Eduardo da Silva Bartolomeu e dos demais membros da diretoria-executiva, que terão mandatos de três anos.

Em paralelo, a empresa informou que seu diretor jurídico, Alexandre D´Ambrosio, passará à posição de diretor executivo jurídico, enquanto a diretora de pessoas Marina Barrenne Quental também passará a ser diretora executiva. A Vale ainda elegeu Maria Luiza de Oliveira Pinto e Paiva como diretora executiva de sustentabilidade.

A Vale disse que o mandato da diretoria executiva foi alterado para três anos após mudanças estatutárias aprovadas em assembleia em 12 de março, “visando conferir maior estabilidade à administração”, segundo comunicado na manhã desta terça-feira.

Vale (VALE3): prorrogar contratos de ferrovias vai custar R$ 24,7 bilhões, diz jornal

VALE

Donos de títulos de dívida da Vale (VALE3) estão inconformados com a ausência de uma contrapartida para ceder à mineradora o direito de recompra de papéis sem prazo de vencimento. As debêntures, perpétuas e remuneradas por receitas de minério de ferro, foram emitidas na época da privatização da companhia, em 1997.

De acordo com o Estadão, além da mineradora, os debenturistas também cobram do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) uma posição. Afinal, o banco de fomento (ao lado da União) tem 55% das debêntures e, portanto, o voto de Minerva na assembleia de sexta-feira, dia 19, quando será discutido o tema. O direito de recompra não estava previsto na escritura dos papéis e, para a inclusão, é praxe que haja algum prêmio de compensação, muitas vezes em dinheiro.

Vale

Conforme o jornal, os debenturistas minoritários, porém, estão de mãos amarradas. Jorge Junqueira, responsável pela área de análise de crédito da Gauss Capital, que tem desses papéis nas carteiras que administra, diz que o fato de a Vale não ter a alternativa de recompra era uma das condições previstas para tornar mais atraente a venda dos papéis, no processo de privatização.

Parte interessadíssima. Para Junqueira, a exigência do prêmio deveria partir do próprio BNDES. “Essa recompra vai gerar valor ao acionista da Vale e o BNDES está abrindo mão de uma contrapartida, enquanto deveria zelar pelo dinheiro do contribuinte”, diz Ulisses de Oliveira, gestor da Quasar Asset Management, outra debenturista.

Veja VALE3 na Bolsa:

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Leia mais