Vale (VALE3) adia assembleia que deve tratar sobre mudanças no estatuto

O conselho de administração da Vale (VALE3) decidiu nesta terça-feira (9) adiar a Assembleia Geral Extraordinária (AGE) que vai discutir mudanças nas eleições para o colegiado. A reunião estava marcada para o dia 1º de março, e passou para o dia 12 do mesmo mês.

Segundo ata da reunião do conselho, o presidente José Maurício Coelho falou sobre a necessidade de separar por temas a proposta de alteração estatutária aprovada pelo conselho em janeiro, “sem alterar a essência da proposta de original, a fim de dar maior conforto para os acionistas discutirem e deliberarem sobre os assuntos da ordem do dia em Assembleia Geral Extraordinária”, diz o documento.

Vale (VALE3): prorrogar contratos de ferrovias vai custar R$ 24,7 bilhões, diz jornal

Boston Metal

A mineradora investiu US$ 6 milhões na empresa americana Boston Metal, que desenvolve uma tecnologia para descarbonização de aço. Com o investimento, a mineradora adquiriu uma participação minoritária na companhia, que está em fase pré-operacional.

A Boston Metal foi fundada em 2012 por professores do Massachusetts Institute of Technology (MIT) e tem uma base de acionistas diversificada que inclui fundos, empresas de mineração e investidores privados, diz a Vale em comunicado.

A tecnologia em desenvolvimento pretende reduzir óxidos metálicos como o minério de ferro com o uso de eletricidade. O processo possibilitará a transformação do minério de ferro para a produção de aço com emissão zero de CO2, segundo a mineradora.

CGE

A Controladoria-Geral do Estado (CGE) vai fiscalizar o cumprimento do acordo de Medidas de Reparação assinado pela mineradora Vale, o Governo de Minas, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), o Ministério Público Federal (MPF) e a Defensoria Pública de Minas Gerais (DPMG), em 4 de fevereiro.

A fiscalização terá objetivo de garantir transparência e eficácia da utilização dos R$ 37,68 bilhões da indenização. Eles serão aplicados em projetos executados pelo governo estadual.

Entre os gastos, estão a transferência de renda e demanda direta aos atingidos, investimentos socioeconômicos na Bacia do Paraopeba, reparação socioambiental integral, segurança hídrica, mobilidade e melhoria nos serviços públicos.

A indenização não poderá servir de fluxo de caixa ou folha de pagamento para o Estado.

Um dos maiores projetos do repasse é iniciar a construção do Rodoanel. Inicialmente, ele passará, também, por Brumadinho, cidade mais atingida pelo rompimento da barragem, em 25 de janeiro de 2019.

 Além da CGE, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) e a Assembleia Legislativa de Minas Gerais atuarão na fiscalização dos projetos executados.

Veja VALE3 na Bolsa:

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais