Reserva de emergência: o que é e como montar a sua?

Saber o que é e como montar uma reserva de emergência pode ajudar qualquer um a obter aquela tão esperada estabilidade econômica. Para isso, basta entender a importância de guardar dinheiro para eventuais crises, seja você um investidor iniciante ou apenas alguém que deseja organizar sua vida financeira.

Ficar desempregado, passar dos limites nos gastos mensais ou mesmo, como vimos em 2020, enfrentar uma pandemia mundial são alguns exemplos de imprevistos. Diante destas situações, ter o valor de pelo menos 6 meses do custo de vida guardado em algum investimento é essencial.

Reserva de emergência: o que é e como montar a sua

Comece a reservar

Primeiramente, o ideal é descobrir a necessidade do investidor ter um suporte financeiro. Caso ele tenha um emprego estável, com salário fixo e carteira assinada, poderia guardar de 3 a 6 meses do seu custo de vida. Entretanto, para autônomos, empresários e aqueles que contam com uma renda volátil, seria bom ter no mínimo 12 meses de seus gastos mensais.

Além disso, separar uma pequena ou média parcela do dinheiro que entra todo mês também é uma dica importante para começar a montar a reserva de emergência. Desta forma, fica mais fácil aplicar aos poucos até chegar no valor estipulado.

Risco e liquidez 

Quando falamos em mercado financeiro, o primeiro pensamento que vem à mente são os investimentos em renda variável. Contudo, existem também aplicações com risco de perda zero ou quase nulo, e são estas que devem compor a reserva de emergência.

Como a intenção é justamente trazer mais segurança para a vida financeira, o dinheiro tem que estar intacto na hora da retirada. Para isso, o investimento precisa ter uma alta liquidez, ou seja, o dinheiro deve ser rapidamente convertido em caixa para o uso. Sendo assim, é possível resgatar qualquer quantia em momentos de sufoco.

Onde investir

Entre os principais investimentos que se enquadram aos critérios de baixo risco, alta liquidez e rentabilidade maior que a poupança, que atualmente rende apenas 70% da taxa básica de juros nacional (Selic), existem algumas opções.

  • Tesouro Selic

O Tesouro Selic é uma das aplicações mais seguras e tradicionais do Brasil. A pessoa empresta dinheiro para o próprio governo, que promete dar uma retorno de 100% da Selic sobre o valor investido. Desta forma, o valor aplicado inicialmente fica totalmente seguro, pois a variação da taxa básica de juros cai apenas sobre o rendimento. Acima de tudo, este investimento permite ser resgatado em até 24 horas.

  • CDBs de bancos digitais

Os investimentos em CDBs seguem a mesma lógica que o Tesouro Selic, a diferença é que ao invés de render em cima da Selic, ele rende sobre o CDI (Certificados de Depósitos Interbancários), seguindo com um lucro apenas um pouco abaixo da taxa anterior. O investidor pode encontrar a aplicação em corretoras de investimento ou em bancos digitais como, por exemplo, Nubank e Banco Inter.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais