Primeira reunião EUA-China sob Biden teve um começo difícil

A primeira reunião de alto nível de autoridades americanas e chinesas sob o presidente Joe Biden começou com uma troca de insultos em um evento para a imprensa pré-reunião no Alasca na quinta-feira (18).

De acordo com a CNBC, uma sessão de fotos planejada de quatro minutos para os funcionários falarem com os repórteres acabou durando uma hora e 15 minutos. Tanto o lado chinês quanto o americano continuaram chamando os repórteres de volta à sala para que pudessem acrescentar comentários.

Primeira reunião EUA-China sob Biden teve um começo difícil

Biden: expectativas

As expectativas já eram baixas para a reunião em Anchorage, Alasca, com o Secretário de Estado dos EUA Antony Blinken, o Conselheiro de Segurança Nacional Jake Sullivan, o Ministro das Relações Exteriores da China Wang Yi e Yang Jiechi, diretor da Comissão Central de Relações Exteriores do Partido Comunista Chinês.

Em seu discurso de abertura, Blinken disse que os EUA discutiriam suas “profundas preocupações com as ações da China, incluindo em Xinjiang, Hong Kong, Taiwan, ataques cibernéticos nos Estados Unidos, coerção econômica contra nossos aliados”.

“Cada uma dessas ações ameaça a ordem baseada em regras que mantém a estabilidade global. É por isso que não são meramente questões internas, e por isso nos sentimos na obrigação de levantar essas questões aqui hoje”, disse Blinken. “Eu disse que a relação dos Estados Unidos com a China será competitiva onde deve ser, colaborativa onde pode ser, adversa onde deve ser.”

China

Pequim considera as questões em Xinjiang, Hong Kong e Taiwan como parte de seus assuntos internos, e as autoridades reiteraram na reunião que a China se opõe firmemente à interferência estrangeira.

Yang disse que o lado americano “orquestrou cuidadosamente” o diálogo, de acordo com uma tradução oficial relatada pela NBC.

“Acho que pensamos muito bem sobre os Estados Unidos, pensamos que o lado norte-americano seguirá os protocolos diplomáticos necessários”, disse Yang, acrescentando que “os Estados Unidos não têm qualificação para dizer que querem falar com a China a partir de uma posição de força.”

Yang disse que os EUA devem lidar com o lado chinês “da maneira certa” e reiterou o apelo de Pequim por cooperação.

Estou ouvindo profunda satisfação de que os Estados Unidos estão de volta, de que estamos novamente engajados com nossos aliados e parceiros. Também estou ouvindo profunda preocupação sobre algumas das ações que seu governo está tomando.

Sob o presidente chinês Xi Jinping, o governo chinês vem consolidando seu poder no país e no exterior. No ano passado, Pequim avançou com importantes acordos comerciais com os vizinhos da Ásia-Pacífico e a União Europeia.

As autoridades chinesas também enfatizaram seu sucesso em controlar rapidamente a pandemia de coronavírus internamente e sua alegação de tirar da pobreza 1,4 bilhão de pessoas no país – ambos apontados por Yang em seu encontro com autoridades americanas.

“Acreditamos que é importante para os Estados Unidos mudar sua própria imagem e parar de promover sua própria democracia no resto do mundo”, disse Yang.

O Ministério das Relações Exteriores da China não comentou imediatamente.

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Leia mais