Petrobras (PETR4) interrompe produção no campo de Caratinga após princípio de incêndio

A Petrobras (PETR4) interrompeu a produção no campo de Caratinga, na Bacia de Campos, após um princípio de incêndio na plataforma P-48 ocorrido na tarde de sábado (20), disse a companhia no domingo (21).

“A ocorrência se deu durante atividade de manutenção em uma tubulação… A produção foi interrompida para avaliação das causas e reparo da tubulação”, afirmou a empresa em nota.

Segundo a estatal, o funcionário que realizava o trabalho teve queimaduras leves e foi atendido na enfermaria. De forma preventiva, foi desembarcado da plataforma, passou por avaliação médica e “se encontra bem e em casa”, esclareceu.

A Petrobras ainda disse que o princípio de incêndio foi debelado imediatamente pela equipe de resposta a emergências da plataforma, sem danos a sistemas ou equipamentos.

Petrobras (PETR4) diz que pode recuperar até R$ 16 bi após ganhar causa tributária
Petrobras (PETR4) diz que pode recuperar até R$ 16 bi após ganhar causa tributária

Petrobras: desempenho por ingerência

A Petrobras (PETR4) reportou seu pior desempenho entre ações globais na última sexta-feira (19) por conta da indicação do presidente Jair Bolsonaro de colocar um general no comando da petroleira e todo movimento decorrente disso.

Levantamento do Valor Econômico indica que em dólares as ações ordinárias da Petrobras acumulam queda de 10,51%, enquanto as preferenciais recuam 8,23%.

A desvalorização já vinha ocorrendo antes mesmo do tombo, de 7,12% e 5,58% dia 19 quando o governo de Jair Bolsonaro mostrou incômodo com o aumento de preços de combustíveis e deu novos sinais de interferência na companhia.

Petrobras: XP Investimentos

Também na última sexta-feira (19) a XP Investimentos alterou a recomendação de neutro para venda por conta de todo estresse envolvendo a estatal.

“Nossa mudança de recomendação reflete o anúncio de que o Governo Federal decidiu substituir o CEO da companhia pelo General Joaquim de Silva e Luna. Vemos esse anúncio como uma sinalização negativa, tanto de uma perspectiva de governança, dados os riscos para a independência de gestão da Petrobras, como também por implicar riscos de que a companhia continue a praticar uma política de preços de combustíveis em linha com referências internacionais de preços”, destacou.

E disse mais: “em nossa opinião, existem muitas incertezas para justificar uma tese de investimento na Petrobras, e acreditamos que as ações deverão daqui em diante negociar com um desconto mais alto em relação ao histórico e a outras petroleiras globais.”

Desta forma, a gestora alterou PETR4 de neutro para venda com preço-alvo revisado de R$ 24 por ação ante os R$ 32 por ação de antes.

  • Só clique aqui se já for investidor

Acionistas temerosos

Levantamento do Estadão aponta que antes de o anúncio da troca ser oficializado, o valor de mercado da empresa caiu de R$ 383 bilhões para R$ 354,8 bilhões. A expectativa é de que caia ainda mais nesta segunda-feira (22). E a avaliação é que, se os próximos passos do governo forem no sentido de interferir na política de preços dos combustíveis, essa queda será potencializada, trazendo fortes perdas.

Ao jornal, o presidente da Associação de Investidores no Mercado de Capitais (Amec), Fábio Coelho, o episódio da última sexta-feira, com a demissão do presidente da Petrobras pelas redes sociais, é uma demonstração de “abandono de práticas consagradas de governança”.

As críticas são, principalmente, quanto ao modo como a demissão aconteceu, sem que o conselho de administração tivesse oportunidade para, internamente, avaliar a indicação do general Luna ao cargo, antes de ela ser anunciada publicamente. “O ponto que chamou mais atenção não foi exatamente a qualificação profissional do novo presidente, mas o desrespeito ao conselho de administração”, acrescentou.

A Amec e o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) divulgaram nota conjunta na qual destacam a preocupação dos minoritários com uma possível interferência política no comando da estatal. “Nessas situações, a observância de práticas consagradas de governança corporativa se torna ainda mais relevante para garantir que os interesses de todos – acionista controlador, investidores e outras partes interessadas – sejam levados em consideração”, diz a nota.

Veja PETR4 na Bolsa:

Petrobras (PETR4): justiça extingue ação de hipoteca judiciária da Previ
Petrobras (PETR4): justiça extingue ação de hipoteca judiciária da Previ

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais