A Petrobras (PETR4) informou que assinará hoje (30) contratos de compartilhamento de infraestruturas de escoamento e processamento de gás natural com Petrogal Brasil, Repsol Sinopec Brasil e Shell Brasil.

Conforme a petroleira, as empresas, que são sócias em gasodutos offshore do pré-sal da Bacia de Santos, formalizarão o acordo em evento virtual com a presença de executivos, incluindo o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, e o CEO global da Shell, Ben van Beurden.

“Os contratos preveem a interligação física e compartilhamento das capacidades de escoamento nas rotas 1, 2 e 3 (a última de propriedade da Petrobras e em fase de construção), dando origem ao Sistema Integrado de Escoamento de gás natural (SIE)”, disse a Petrobras no comunicado.

Petrobras (PETR4) diz que pode recuperar até R$ 16 bi após ganhar causa tributária

Futuro

No futuro, outras empresas produtoras de gás natural ainda poderão aderir aos contratos vigentes, desde que haja capacidade de escoamento disponível, acrescentou a estatal.

Além do SIE, também estão previstos contratos para constituição de um sistema integrado de processamento de gás natural, que contemplam acesso das empresas a unidades de processamento da Petrobras em Caraguatatuba (São Paulo) e Cabiúnas e Itaboraí (em construção), no Rio de Janeiro, ainda segundo o comunicado.

Veja PETR4 na Bolsa:

Petrobras (PETR4): justiça extingue ação de hipoteca judiciária da Previ

Shell

A Shell entrará em breve no mercado de energia eólica offshore do Brasil, disse o country manager André Araujo em um webinar.

André Araujo, presidente da Shell Brasil, sobre o mercado de energia eólica offshore ontem (02): “Neste momento estamos focando na criação de um grupo no mercado de energia solar, mas estou em contato direto com o grupo eólico offshore e temos discutido o fato de que o Brasil não pode ficar de fora dessa jornada . Então é questão de tempo ”, disse Araújo durante webinar organizado pela Câmara de Comércio Brasil-Inglaterra nesta quarta-feira.

A Shell já está investindo em energia eólica offshore para a América Latina, principalmente nos Estados Unidos e no Mar do Norte. No Brasil, porém, a empresa tem se concentrado na exploração e produção de óleo e gás, com mais de 32 contratos, 21 dos quais como operadora, nas bacias de Campos, Santos, Barreirinhas, Espírito Santo e Potiguar.

https://www.youtube.com/watch?v=fn2ePoDnrVg
Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: