Paulo Guedes afirma que micro e pequenas empresas ficarão isentas da taxação sobre dividendos

O ministro disse também que a nova reforma tributária fará os "super-ricos" pagarem mais impostos

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou em entrevista, nesta quarta-feira (28), que as empresas participantes do regime Simples Nacional não entrarão na nova regra proposta de taxação sobre dividendos. O mesmo fez a afirmação após ser questionado sobre o tema por jornalistas. 

Além disso, durante a coletiva, o ministro também disse que um dos principais objetivos da reforma tributária é fazer com que os mais afortunados do Brasil paguem mais Imposto de Renda (IR), sobre lucros e dividendos.

Dessa forma, o economista ainda enfatizou que o governo pretende reduzir o Imposto das companhias, em cerca de 10 pontos percentuais em 2022. Por outro lado, Guedes informou que não abre mão de restabelecer a tributação dos dividendos.

Taxação sobre os dividendos

A proposta de reforma tributária prevê a taxação de 20% sobre os dividendos distribuídos à acionistas. No entanto, estão isentos aqueles que recebem valores mensais de até R$ 20 mil.

Dessa forma, a nova tributação acabou gerando uma reação no setor privado. Isso porque, de acordo com eles, a medida implica uma taxa maior sobre o total de lucros, mesmo com a redução do IRPJ.

Vale lembrar que o regime Simples Nacional é para  micro e pequenas empresas, que obtêm faturamento anual de até R$ 4,8 milhões.

Paulo Guedes afirma que empresas do regime Simples Nacional ficarão isentas de taxação sobre dividendos
Paulo Guedes, ministro da Economia

“Super-ricos” pagam mais

Na entrevista, Guedes falou também sobre objetivo de fazer com que os “super-ricos” do país paguem mais impostos. De acordo com o ministro, os empresários defendem que já pagam impostos em conjunto com os tributos de suas empresas. 

“Não queremos que vocês paguem nas empresas, nós queremos o contrário: reduzir a tributação nas empresas. A tributação das empresas cai de 34% para 24% já. Nós chegamos na média da OCDE que é em torno de 23 e 24”, disse.

“Vamos baixar imediatamente 10%. Essa é a ideia da reforma tributária também. O relator que está completamente afinado conosco […] fala em termos de 20 até R$ 30 bilhões de queda de arrecadação, cumprindo a nossa promessa de que nós não vamos aumentar os impostos”, completou.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais