Oi (OIBR3) conclui venda de unidade de data center para Titan por R$325 mi

A Oi (OIBR3, OIBR4) concluiu a venda da unidade de data center Titan Venture Capital e Investimentos por um total de R$ 325 milhões, de acordo com fato relevante da companhia de telecomunicações nesta segunda (15).

A Titan realizou o pagamento de uma parcela à vista em dinheiro no montante de R$ 250 milhões e o restante será pago em parcelas, informou a Oi, que está em processo de recuperação judicial.

OI (OIBR3): ações disparam 25% e atingem maior cotação em quase dois anos
OI (OIBR3): ações disparam 25% e atingem maior cotação em quase dois anos

Oi: credores

Um grupo de credores pode atrasar o plano da Oi para captar até R$ 7,5 bilhões. O dinheiro ajudará a operadora a cumprir os planos de recuperação judicial. Os credores não concordaram com o valor proposto pela operadora (o chamado consent fee) para que autorizem e emissão de até R$ 2,5 bilhões em debêntures da InfraCo, braço de infraestrutura da empresa que reúne as operações de fibra ótica, bem como um empréstimo ponte de até R$ 5 bilhões da Oi Móvel. Como é de praxe, uma negociação, capitaneada pelo escritório brasileiro Padis e Mattar e pelo norte-americano Davis Polk por parte dos detentores de títulos de dívida emitidos no exterior (bondholders), está em andamento. Hoje termina o prazo para as conversas. Se não chegaram a um denominador comum, um novo prazo deve ser concedido.

De acordo com o Estadão, a Oi seguiu a legislação norte-americana e tornou público na Securities and Exchange Comission (SEC), xerife do mercado de capitais dos Estados Unidos, o pedido de consentimento para ambas as operações há mais de uma semana.

No documento, a Oi informou que pagaria como prêmio aos detentores dos títulos de dívida US$ 5 por cada US$ 1 mil em bonds. O valor foi considerado baixo. Os credores também se opõem a outras condições do plano de capitalização da companhia, de acordo com fontes.

A tele

A Oi precisa do “sim” de 50% mais um, dos detentores de R$ 1,65 bilhão em bonds emitidos em 2017, durante a reestruturação financeira da recuperação judicial. Ou seja: se o prêmio sugerido fosse aceito, a companhia teria um gasto de cerca de US$ 4 milhões. Fontes afirmam que o grupo de “oposição” supera os 50% e, portanto, as negociações continuam.

O prêmio faz parte da escritura dos bonds renegociados em 2017, e do aditamento à recuperação judicial, aprovado no ano passado. Nele, a Oi previu a emissão das debêntures e a venda de parte da InfraCo, assim como o empréstimo ponte e a venda da operação móvel.

Os financiamentos têm como objetivo reerguer as operações da tele e permitir que a Oi honre com suas dívidas. No caso da InfraCo, a Oi pretende vender até 51% do negócio – e quer fortalecê-la para isso. O empréstimo ponte da Oi Móvel seria para que continuasse investindo e operando até a aprovação dos órgãos reguladores.

Ontem, a superintendência geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) informou que vai instaurar um procedimento administrativo para apuração concentração de mercado, a pedido da operadora mineira Algar, feito em novembro do ano passado. Procurada, a Oi não comentou.

Veja OIBR3 na Bolsa:

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais