A Minerva Foods (BEEF3) registrou lucro líquido de R$ 253,4 milhões no segundo trimestre de 2020.

Com isso, a companhia reverteu o prejuízo de R$ 113,3 milhões registrado no segundo trimestre de 2019.

À época, a empresa havia obtido desempenho operacional recorde, refletindo a política de hedge.

Diretor financeiro, Edison Ticle disse nesta terça-feira (28) que a estratégia de hedge evitou um efeito negativo de R$ 437 milhões sobre a dívida líquida do trimestre.

BEEF3 na Bolsa:

Minerva (BEEF3): cia passa de prejuízo para lucro no 2ºtri
Minerva (BEEF3): cia passa de prejuízo para lucro no 2ºtri

BEEF3: pico e valorização

De acordo com o executivo, no trimestre a moeda norte-americana atingiu um pico, perto de R$ 6, e chegou a acumular valorização superior a 30% no ano.

Já o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) atingiu R$ 590,2 milhões no segundo trimestre de 2020.

Trata-se de um recorde para o período, com alta de 62% no comparativo anual e margem Ebitda recorde de 13,4%, alta de 4,4 p.p.a.a.

Minerva (BEEF3): cia passa de prejuízo para lucro no 2ºtri
Minerva (BEEF3): cia passa de prejuízo para lucro no 2ºtri

BEEF3: alavancagem

Segundo a Minerva Foods, a alavancagem líquida do trimestre, medida pela relação entre dívida líquida e Ebitda dos últimos 12 meses, foi de 2,6 vezes, menor patamar dos últimos 12 anos.

“Em dólar, a alavancagem líquida encerrou o trimestre em 2,2 vezes”, disse.

Com o hedge, a dívida da companhia ficou praticamente estável na passagem de trimestre e a alavancagem caiu porque o Ebitda subiu mais de 60%.

 “O grande brilho do trimestre é sem dúvida nenhuma o resultado operacional”, frisou.

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: