Considerada uma “minirreforma” pelo ministério da Infraestrutura, a Medida Provisória 955/2020 foi sancionada nesta terça-feira (25) pelo governo federal.

O dispositivo altera a Lei dos Portos e torna a atividade portuária mais aberta para a realização de negócios.

A lei também cria regras para o funcionamento dos portos durante a pandemia, além de definir normas de afastamento e de indenização de trabalhadores em grupos de risco.

Segundo nota divulgada pela pasta, a flexibilização de contratos de arrendamento é uma das principais mudanças trazidas pela lei.

Não há mais necessidade de licitação quando apenas um interessado em arrendamento portuário for inscrito no processo, e a contratação será feita por chamamento público.

Commodities: exportação de petróleo mais que dobra; minério tem maior nível do ano
Commodities: exportação de petróleo mais que dobra; minério tem maior nível do ano

Antaq

De acordo com o ministério, a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) passa a ter competência para regulamentar outras formas de exploração de áreas e instalações portuárias não previstas na legislação.

Atualmente, a agência dispõe apenas do contrato de arrendamento para a ocupação de instalações portuárias.

Em relação a trabalhadores portuários avulsos (TPAs), além das regras para afastamento em decorrência de covid-19, a lei define escalação por meio eletrônico para descarga nos portos.

Isso significa que o trabalhador será notificado via aplicativo de celular sobre sua demanda, ao contrário do processo atual, que é presencial.

Em caso de greve ou indisponibilidade de TPAs, a nova lei define que o operador portuário poderá contratar livremente trabalhadores com vínculo empregatício por até 12 meses para a realização de determinados serviços, como capatazia e conferência de carga. (Com Agência Brasil).

Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: