JSL (JSLG3) reporta lucro líquido de R$30,5 mi no 4º tri, alta de 106,1%

A JSL (JSLG3) reportou lucro líquido de R$ 30,5 milhões no quarto trimestre, alta de 106,1% ante igual período do ano anterior, conforme relatório encaminhado ao mercado.

De acordo com o documento, no acumulado do ano a companhia obteve lucro líquido de R$ 41 milhões, aumento de 45,1% em relação a 2019.

Já a receita líquida chegou a R$ 818,2 milhões no último trimestre do ano, uma alta de 4,5% em relação ao quarto trimestre de 2019. Em todo ano passado, a companhia faturou R$ 2,82 bilhões, o que representou queda de 8,9% no comparativo com 2019.

JSL fará IPO após concluir reorganização societária
JSL fará IPO após concluir reorganização societária

JSL

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ficou estável no quarto trimestre no comparativo com o mesmo período de 2019. O Ebitda no último trimestre de 2020 foi de R$ 121,1 milhões, ante R$ 121,5 milhões de 2019. Quando se observa todo o ano de 2020, o indicador caiu 16%, para R$ 431,5 milhões.

O diretor presidente da JSL e da família controladora, Fernando Simões, disse que o bom desempenho da companhia no último trimestre se deve, principalmente, à diversificação da carteira de clientes. A empresa presta serviços para setores como papel e celulose, mineração, agronegócio e automobilístico.

“Temos uma receita bem diversificada em alguns setores; commodities, por exemplo, está muito forte. São segmentos que estão andando bem e não pararam. Temos contratos longos, de cinco anos”, disse Simões, ao Valor.

Balanço

No ano passado, a companhia concluiu a sua reestruturação societária que criou a JSL como empresa deixando de ser holding. Além disso, ao final do ano, ela abriu o capital e conseguiu R$ 694 milhões.

“Em 2020, com a abertura de capital, conseguimos pagar as dívidas mais caras e diminuímos o endividamento líquido. Temos uma meta de ter uma alavancagem de 3 vezes, mesmo com o objetivo de crescimento orgânico e inorgânico da companhia”, disse Simões. No ano passado, a dívida líquida da JSL fechou em R$ 1,6 bilhão, 47,4% inferior a 2019.

Para este ano, o executivo disse que a JSL deve manter a sua política de aquisições estratégicas. No início de 2021, a companhia já comprou mais duas empresas – a TCP, especializada em logística do setor de saúde, e a Transportadora Rodomeu, que movimenta máquinas agrícolas e de construção civil e gases. “Eram setores em que já estávamos, mas a nossa participação era pequena. São compras estratégicas.”

Veja JSLG3 na Bolsa:

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Leia mais