Investimentos em Private Equity e Venture Capital somam R$23,6 bi em 2020

Num ano marcado pela pandemia da Covid-19, a indústria de Private Equity e Venture Capital investiu R$ 23,6 bilhões de reais em empresas brasileiras. Trata-se do segundo maior volume de investimentos de PE e VC no Brasil desde 2011 – apenas 7% menor que o montante de 2019.

No total, 255 companhias brasileiras receberam investimentos e informaram os valores das transações no ano passado, segundo os números da mais recente pesquisa produzida em conjunto pela Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (ABVCAP) e a KPMG. O número de empresas investidas é maior se forem consideradas as empresas que ainda não divulgaram os valores transacionados.

Investimentos
Investimentos

Os investimentos

Os investimentos em Venture Capital (VC) superaram o volume aportado em empresas por fundos de Private Equity (PE) pela primeira vez na história em 2020. A indústria de VC somou R$ 14,6 bilhões em transações, ante R$ 9 bilhões do segmento de PE.

“O forte desempenho da indústria de PE e VC num ano tão complicado é mais uma evidência da robustez do ecossistema de investimentos em empresas no Brasil”, diz Piero Minardi, presidente da ABVCAP. “O Brasil está se consolidando como um centro global de inovação e empreendedorismo, e os fundos reunidos na ABVCAP têm enorme satisfação de impulsionar esse fenômeno, que gera empregos, renda e prosperidade e atrai capital de longo prazo para as empresas brasileiras”.

Empresas

Das 255 empresas investidas no ano passado, 200 tiveram aportes de fundos de VC e 55, de PE. No quatro trimestre de 2020, o investimento médio por empresa foi de R$ 67 milhões em VC, e R$ 409 milhões em PE. No mesmo período, os respectivos segmentos somaram aportes totais de R$ 3,6 bilhões e R$ 2,9 bilhões.

“O crescimento dos investimentos de VC em 2020 é um reflexo do amadurecimento da indústria e da quantidade significativa de grandes empreendedores brasileiros que inovam, se arriscam e criam ótimos negócios para a economia e estão entre os melhores e mais arrojados do mundo”, diz Roberto Haddad, sócio-líder de Private Equity e Venture Capital da KPMG no Brasil. “A pandemia acelerou algumas tendências importantes, e uma delas é a maior importância das startups e dos fundos que apoiam seu crescimento.”

Fintechs

As fintechs e insurtechs (startups da área de seguros) atingiram o topo da lista de alvos dos fundos de VC, com 29% da quantidade de empresas investidas por VC de outubro a dezembro do ano passado, o que corresponde a 19 empresas. Na sequência, aparecem as adtechs e martechs (de publicidade e marketing, com 9%), e retailtech (varejo), software, transporte e mobilidade (todas com 8%), entre outra

Considerando todo o escopo da pesquisa, os serviços financeiros também tiveram a preferência dos investidores, com 27% dos aportes, ou 21 empresas. Aparecem na sequência os segmentos de tecnologia e informação (22%), varejo (12%), e outros.

Em 2020, os desinvestimentos dos fundos somaram R$ 18,4 bilhões, queda de 23% sobre 2019. O período foi marcado por uma série de IPOs de empresas investidas de fundos de PE e VC, como Quero-Quero, Petz, Enjoei! e Méliuz, entre outras.

  • Só clique aqui se já for investidor

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais