Fatores externos e risco doméstico pressionaram o câmbio neste início do ano, analisa XP

Os fatores externos e o risco doméstico pressionaram o câmbio neste início do ano. A avaliação é da XP Investimentos para quem os fundamentos ainda sugerem o real mais valorizado. “Projetamos R$ 4,9 por dólar em 2021 e R$ 4,8 em 2022”, destacou a equipe de economia.

De acordo com a gestora, o fim dos programas emergenciais pesa sobre a atividade. O mercado de trabalho melhor, os juros baixos e, mais adiante, a vacina, tendem a manter o crescimento positivo.

Dinheiro disponível no mercado global atrai empresas brasileiras
Dinheiro disponível no mercado global atrai empresas brasileiras

Câmbio

Já a apreciação cambial e a contração fiscal dão conforto ao Copom para manter a Selic em 2% por ora. “Projetamos que o ciclo de alta deve começar em agosto, e se prolongar em 2022 até a Selic atingir 4%”, ressaltou.

Ainda assim, frisou, o risco fiscal segue elevado, ainda que a dinâmica da inflação ajude no cumprimento do teto de gastos em 2022. “Avançar nas reformas é crucial para garantir um cenário equilibrado em 2021 e adiante.”

Vale e Copel

A XP também analisou dois ativos em seu portfólio, por conta de fatos relevantes recentes destas companhias.

Segundo a gestora, a Vale irá adquirir a participação da Mitsui em Moatize e NLC por US$ 1,0 cada. Além disso, mineradora consolidará todos os ativos e passivos relacionados às entidades NLC, incluindo o saldo em aberto de US$ 2,5 bilhões (Project Finance) de Nacala.

Esta consolidação deve gerar um impacto de US$ 300 milhões por ano nas despesas operacionais relativas à tarifa NLC, que atualmente impactam o EBITDA do segmento de carvão.

“Vemos esse movimento como positivo para a empresa, pois ela se concentra um pouco mais no negócio principal (minério de ferro) e melhora a geração de caixa no longo prazo. Mantemos nossa recomendação de Compra para as ações da Vale”, destacou.

Quanto à Copel, o conselho de administração aprovou o encaminhamento da proposta de reforma do Estatuto Social para deliberação da Assembleia Geral de Acionistas.

A reforma do estatuto contempla significativos avanços em governança corporativa, dentre eles destacamos:

  • O programa de UNITs:  O programa contempla um desdobramento de ações na proporção de 1 para 10 com a possibilidade de conversão de ações na razão de 1 ON para 1 PNB (e vice-versa). A formação de uma UNIT será composta por 5 ações de emissão da Companhia, sendo 1 ON (CPLE3) e 4 PNB (CPLE6);
  • Adesão ao Nível 2 de Governança Corporativa da B3: O nível 2 de governança da B3 estabelece, entre outros o Tag along de 100% para as ações Ordinárias e Preferenciais, conferindo tratamento equitativo aos acionistas da Companhia e o direito de voto para os acionistas preferencialistas em assuntos que tratem de transformação, incorporação, cisão ou fusão da Companhia;
  • Nova Política de Dividendos: De acordo com a nova política as propostas de dividendos regulares serão calculados conforme os critérios como Alavancagem abaixo de 1,5x = 65% do Lucro Líquido Ajustado, Alavancagem entre 1,5x e 2,7x = 50% do Lucro Líquido Ajustado e Alavancagem acima de 2,7x = 25% do Lucro Líquido Ajustado.

“Temos uma visão positiva dos anúncios da Copel, pois sinalizam avanços bem-vindos em governança corporativa que ganham ainda mais importância após elevação da percepção de risco após a divulgação recente de carta do acionista controlador da companhia, o Governo do Estado do Paraná”, frisou.

  • Só clique aqui se você já for investidor

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais