A segunda onda do novo coronavírus (covid-19) vai causar o crash na B3 (B3SA3)? Essa é a pergunta de US$ 1 bilhão que investidores, economistas e analistas tentam antecipar.

No mundo temos um novo recorde com 660 mil pessoas contagiadas em um único dia. Claro, isso de pessoas que foram testadas e confirmadas.

Porém, este número é muito maior. Sem sintomas, grande parte da população não faz exames. Além disso, o alto custo na rede particular dificulta o acesso.

Em algumas cidades brasileiras um exame demora até 7 dias úteis para ficar pronto. Algo completamente absurdo para uma doença que se alastra rapidamente.

Fabrizio Gueratto: 2ª onda do coronavírus vai causar o crash na B3 (B3SA3)?

Como pode existir segunda onda de coronavírus se ainda estamos na primeira?

Em diversos países da Europa como França, Espanha e Alemanha novos lockdowns foram decretados para conter a segunda onda. O fato é que, o Brasil nem se quer saiu da primeira onda. Como vamos entrar na segunda?

Primeiro precisamos olhar sempre para os números. Eles são a fonte mais confiável para qualquer análise.

E eles mostram que o número de novos contágios está crescendo rapidamente e batendo recordes em alguns países.

Veja o exemplo da Itália, um dos países que mais sofreu. No auge do caos, dia 21 de março, foram registrados 6.557 novos casos e 793 mortes.

Agora, dia 13 de novembro foram 40.902 casos e 550 mortes. O número de contágio pode ser facilmente explicado pelo verão europeu, em que as pessoas saíram de casa e relaxaram o isolamento.

Mas isso não explica porque percentualmente morrem muito menos pessoas do que no começo da crise.

Somos obrigados a conviver com o novo coronavírus

A diferença é que o mundo está sendo obrigado a aprender a conviver com o novo coronavírus e, embora não tenha cura, os tratamentos estão cada vez mais eficazes para a maioria dos casos.

Hoje, a medicação é receitada logo no começo da doença, algo que faz toda a diferença. Um outro fator importante é que, os hospitais estão equipados com respiradores, item básico que fez falta para muitos países.

Um outro ponto importante é que, diferente do Brasil, a população europeia é muito mais idosa e consequentemente corre mais risco.

Além disso, o Brasil, por ser um continente, temos diversas fases de contágio em cada localidade. Não tem como traça um mapa uniforme da situação do país.

A grande esperança vem da vacina e que pode mudar o jogo em 2021. Diversos países estão na fase 3 de testes.

A última para garantir a segurança. Enquanto alguns críticos simplesmente falam que precisa de no mínimo 5 anos para uma vacina ser produzida, em uma situação de guerra temos que no apegar ao que temos e tenho certeza que a maioria das pessoas irá querer estar entre os vacinados.

Crash na B3 (B3SA3) é uma realidade?

Por isso, acredito que uma segunda onda pode sim causar estragos na economia global e até mesmo uma nova queda dos mercados. Mas não acredito que será tão forte como a primeira e os números mostram isso.

O vírus está menos letal com a evolução dos protocolos médicos, velocidade de detecção de infectados, estrutura hospitalar e vacina a caminho. Não tem como o mundo ficar trancado dentro de casa por anos.

Isso acabaria com a saúde mental e financeira das pessoas. Acredite, teremos que conviver com o coronavírus e outras pestes que ainda virão. Nós iremos sobreviver e a economia, também.

Veja B3SA3 na Bolsa:

Bolsa Brasileira
Compartilhe

Categorias do artigo

  • Relacionados: