Dólar cai a menos de R$ 5 pela primeira vez em mais de um ano

Após ter chegado a mínima de R$ 4,994, às 13h30, o dólar caía 0,72% e chegou a ser negociado a R$ 5,002

Hoje (16), o dólar registrou forte queda em relação ao real. Pela primeira vez em mais de um ano, a moeda norte-americana voltou a ser negociada abaixo dos R$ 5. Além disso, após ter chegado à mínima de R$ 4,94, às 13h30, o dólar caía 0,72%, sendo negociado à R$ 5,02.

A desvalorização da moeda aconteceu antes da decisão de política monetária nos Estados Unidos e no Brasil. A perspectiva é que o Federal Reserve mantenha os juros próximos de zero.

Dessa forma, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevará a taxa Selic em pelo menos 0,75 %. Portanto,  o diferencial de juros entre os dois países aumentará, tornando mais vantajoso os investimentos de renda fixa no país.

Mercado de câmbio

No mercado de câmbio, o real conseguiu a melhor performance em comparação com as moedas internacionais.

Todavia, saiu em desvantagem apenas para a valorização das rúpias de Seicheles em relação ao dólar. O principal par do real, o peso mexicano, está em queda contra o dinheiro americano.

O dólar é considerado um dos investimentos mais seguros do mundo, assim como o ouro e títulos do Tesouro americano.

A compra da moeda muitas vezes é atrelada a uma forma de prevenção, uma vez que os investidores tendem a comprar dólares ou fundos atrelados à moeda quando a forte tendência de ‘riscos’.

Dólar cai a menos de R$ 5 pela primeira vez em mais de um ano

Projeções para o futuro

Segundo o BTG Pactual Digital, a taxa Selic, que hoje está em 3,5%, deve chegar a 6,5% até o fim de 2021. A expectativa era de 5,5%.

“Este ambiente de atividade mais forte que o esperado tem antecipado nossas expectativas de fechamento do hiato do produto”, informa a equipe de Research em relatório.

De acordo com o boletim mais recente da Focus, havia uma expectativa média do mercado para a Selic ao fim do ano de 6,25%. Em suma, desde o final do mês de abril, o dólar acumula queda de 8% em comparação ao real.

Dessa forma, além da alta de juros, algumas questões contribuíram para a valorização do real, como: alta das commodities, menor percepção de risco fiscal, captações de empresas brasileiras no exterior e melhor perspectiva de crescimento.

Comentários estão fechados.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Leia mais